“Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça.” (João 1:16)

Na primavera de 1865, Elvina Mable Hall escrevia um hino que ficou no tesouro hinológico da igreja: “Jesus tudo pagou”! A terceira estrofe e coro proclamam:

Pois, nada de bom eu tenho
Para a tua graça reclamar.
Lavarei alvas as minhas vestes
No sangue do Cordeiro no calvário.

Jesus tudo pagou,
Tudo devo a Ele.

O pecado deixou uma mancha carmesim
Ele lavou-me alvo como a neve.

Da sua plenitude temos recebido“. A plenitude indica algo que está cheio, completo ou perfeito. Foi assim que o Pai entregou o Seu Filho Amado – uma dádiva perfeita para satisfazer plenamente os Seus propósitos e a nossa necessidade. Foi assim que o Filho se entregou a Si mesmo – uma dádiva completa na obediência ao Pai e de Amor para com os seus inimigos. Na dádiva de Jesus – a encarnação, a sua morte expiatória – vemos revelada perante nós a plenitude de Deus. Todos os atributos divinos, perfeitamente equilibrados, gloriosos e santos. O que antes estava escondido nas pálidas imagens da criação, dos símbolos, dos rituais, da Lei, das profecias agora resplandece diante de todos os Homens, para todos sejam inescusáveis e se calem diante do Santo. E, para que ao Nome de Jesus se dobre todo o joelho e toda a lingua confesse que Ele é o Senhor.

Elvina Hall testifica que “Jesus tudo pagou”. João afirma que recebemos “graça sobre graça“. As bençãos de Deus multiplicam-se sobre nós por causa de Jesus. Ele deu-nos muito mais do que pedimos ou imaginamos. Tal como Ele se entregou plenamente à missão de salvar-nos, também o fruto que vem por essa oferta é infinitamente abundante. Em Cristo e por Cristo temos perdão para todos os nossos pecados:

“Sobreveio a lei para que avultasse a ofensa; mas onde abundou o pecado, superabundou a graça,
a fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor.” (Romanos 5:20,21)

“A mim, que, noutro tempo, era blasfemo, e perseguidor, e insolente. Mas obtive misericórdia, pois o fiz na ignorância, na incredulidade.
Transbordou, porém, a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.” (1 Timóteo 1:13,14)

Em Cristo e por Cristo há perdão para muitos:

“Todavia, não é assim o dom gratuito como a ofensa; porque, se, pela ofensa de um só, morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, foram abundantes sobre muitos.” (Romanos 5:15)

Em Cristo e por Cristo temos abundância de bençãos:

“Se, pela ofensa de um e por meio de um só, reinou a morte, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo.” (Romanos 5:17)