Limites e liberdades :: Devocional

30.Abr :: Provérbios 22:28

Os limites de propriedade são uma coisa séria. Muitos desacatos e até tragédias têm sido suscitadas entre vizinhos por causa dos limites da terra. Os marcos ou vedações que percorrem a sua fronteira são considerados invioláveis. Os donos e a sua descendência estão dispostos a defendê-los até às últimas consequências.

Pena que nem todos os limites antigos sejam defendidos dessa maneira. Debaixo da capa da modernidade e da evolução social branqueia-se a erosão progressiva de valores e princípios estabelecidos desde o princípio. Os limites antigos são arrancados apregoando-se uma nova era de liberdade. O aviso solene de Deus faz-nos pensar que não é bem assim. A ausência de limites expõe-nos a novos perigos, perda de identidade e insatisfação. A cultura pós-moderna em que vivemos é bom exemplo disso.

  1. Qual a importância dos limites na experiência da liberdade?
  2. Será que para Deus ainda devíamos viver como Adão e Eva, os nossos primeiros pais? É Deus contra a evolução social? Como explicar o aviso de Deus?

Liberdade ou Mandamentos? :: Devocional

26.Mar :: Provérbios 13:13

“O cigano foi-se confessar; mas o padre, precavido, começou por interrogá-lo sobre os mandamentos de Deus. Ao que o cigano respondeu: «Olhe, senhor padre, eu ia aprender isso, mas depois ouvi um zum-zum de que tinha perdido o valor». (…) Todo o mundo – nações, indivíduos – está desmoralizado. Durante uma temporada, esta desmoralização diverte e até vagamente ilude. Os inferiores pensam que lhes tiraram um peso de cima. Os decálogos conservam do tempo em que eram inscritos sobre pedra ou bronze oseu carácter de pesadume. A etimologia de mandar significa carregar, pôr em alguém algo nas mãos. Quem manda é, sem remissão, quem tem o encargo. Os inferiores do mundo inteiro já estão fartos de que os encarreguem e sobrecarreguem, e aproveitam com ar festivo este tempo de pesados imperativos. Mas a festa dura pouco. Sem mandamentos que nos obriguem a viver de um certo modo, fica a nossa vida em pura disponibilidade. Esta é a horrível situação íntima em que se encontram já as melhores juventudes do mundo. De puro sentir-se livres, isentas de entraves, sentem-se vazias. Uma vida em disponibilidade é maior negação que a morte. Porque viver é ter que fazer algo determinado – é cumprir um encargo –, e na medida em que iludamos pôr em algo a nossa existência, desocupamos a nossa vida. Dentro em pouco ouvir-se-á um grito formidável em todo o planeta, que subirá, como uivo de cães inumeráveis, até as estrelas, pedindo alguém e algo que mande, que imponha um afazer ou obrigação.” Ortega y Gasset, in ‘A Rebelião das Massas’

  1. Como defines liberdade?
  2. Achas que os Mandamentos de Deus são um entrave à melhor expressão da tua liberdade?
  3. Se achas os Mandamentos importantes, como avalias o teu desempenho na sua aplicação na tua vida?

Prova de Amor :: Devocional

8.Mar :: Provérbios 3:11-12

Os meus dois filhos são crianças cheias de vida e aparentemente têm uma energia inesgotável. Gostam de aprender, de explorar, de ultrapassar os seus limites. Como pais, temos a grande responsabilidade de orientar o seu desenvolvimento. Isso significa um equilíbrio por vezes difícil entre liberdade e restrições, encorajamento e repreensão, carinhos e castigo. A perfeição do Amor que temos por eles traduz-se não só nas coisas boas que procuramos dar-lhes, mas de igual modo, mas coisas que lhes negamos e na repreensão pelo mal que fazem.

A felicidade da liberdade não está em fazermos tudo o que queremos, mas em desfrutar em segurança e com equilíbrio do espaço que as regras nos impõem. A liberdade sem regras não traz felicidade. Gera conflitos. Invejas. Ofensas. Ansiedade. Perigos.

  1. Deus coloca-se num relacionamento connosco como de um Pai e filho. Por comparação, que diferenças encontras entre outros níveis de relacionamento também presentes nas Escrituras, p.ex., Senhor-servos, Criador-criatura, Deus Soberano-homem dependente?
  2. Achas que pensar em Deus como Pai diminui qualquer um dos outros níveis de relacionamento? Porquê?
  3. Não gostamos de ser repreendidos. Mas, Deus diz que isso é uma prova de Amor. Como pode ser isso?
  4. Recorda algum momento em que tenhas sentido a repreensão de Deus. Como te sentiste na altura? E agora, olhando para trás, como te sentes em relação a isso?