A fórmula de Deus

“O que é afinal a intimidade com Deus? E, como alcançá-la?”

A resposta a estes interrogações fundamentais é dada pelo próprio Senhor Jesus. Em João 17, Jesus declara que foi enviado pelo Pai para dar vida eterna (vs.2). Há muito a dizer acerca da vida eterna, mas, se quisermos condensar tudo isso num único conceito olhamos para a explicação de Jesus:

“E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3)

Conhecer Deus. Como o único Deus – reconhecendo que só Ele é Deus e fora dele não há outro. Como o verdadeiro Deus – conhecendo quem Ele é de verdade e não como eu gostaria que fosse. Como o exclusivo Deus – sendo O único que reconheço como Senhor sobre a minha vida, fugindo de todas as formas de idolatria. Como o Redentor Deus – reconhecendo que Ele é tanto o querer como o efectuar da minha salvação e que devo tudo a Ele. Esta é a vida eterna. É também, creio, a melhor definição de intimidade com Deus.

INTIMIDADE COM DEUS = CONHECER DEUS

Jesus diz que o conhecimento de Deus é a vida eterna, porque o conhecimento de Deus vai afectar tudo o que somos, influenciando todo o nosso futuro. Vejamos, com alguns exemplos como isso acontece:

  1. Conhecer Deus ensina-te a viver. A Bíblia ensina que a sabedoria que nos conduz à vida excelente nasce do temor do Senhor. (Prov.1:7) Isto é, quando eu temo a Deus, essa reverência, espanto, admiração e senso de humildade diante d’Ele, afectam as minhas decisões, vontade, paixões, inclinações, etc. Tudo na minha vida vai passar a ser vivido como que pelos olhos do Senhor a quem temo. E, de onde vem esse temor? Como posso eu crescer em temor do Senhor? Conhecendo-O. Quanto mais conheço acerca da Sua Santidade, Justiça, Ira, Amor, Misericórdia, Longanimidade mais assombrado ficarei com esse conhecimento. E mais vontade terei de O honrar na minha vida.
    (NOTA: Se pelo contrário esse conhecimento te afasta de Deus mais e mais, é porque ainda não nasceste de novo, e por causa do teu pecado insistes na rebelião contra Deus. Busca arrependimento e crê no Senhor Jesus Cristo para salvação da tua alma!)
  2. Conhecer Deus fortalece a tua fé. O conhecimento de que Jesus fala não é apenas informação, ou intelectual, mas, experiencial. Conheces por experiência. Por obediência. Ao colocares a tua confiança nas promessas e mandamentos de Deus e confirmares a Sua fidelidade à Sua Palavra a tua fé é fortalecida e terás confiança para confiar n’Ele em coisas maiores. (Salmos 34:8)
  3. Conhecer Deus estimula a obediência. Quanto mais conheceres a Deus menos tendência terás a pensar como alguns que diziam: “Não importa se pecamos, porque a Graça de Deus sempre terá perdão para nós!” (Rm.6:1-2) Aqueles que assim pensam não O conhecem. Esquecem-se da Sua santidade que não tolera o pecado. Ignoram que Ele corrige e disciplina aos Seus filhos (Hb.12:6-8). E, tentam ao Senhor que é “um fogo consumidor” (Hb.12:29). Mas, os que O conhecem entregam-se à obediência e na Sua lei (leia-se, vontade) está o prazer das suas almas.
  4. Conhecer Deus antecipa a vivência da glória futura. Em Hebreus lemos que Moisés rejeitou as honras do Egipto porque via O invisível. Lemos também que Ele se dispôs a sofrer com o povo de Deus porque antecipava a glória futura (Hb.11:24-27). Conhecer Deus liberta-te da pressão das circunstâncias pois tens a garantia de que o teu futuro está firme em Cristo, esperança (leia-se, certeza) da Glória! (Col.1:27)

Tendo em vista os tremendos benefícios que o conhecimento de Deus traz à tua vida, a questão impõe-se: Onde adquirir esse conhecimento?

“Porque em tudo fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento.” (1 Coríntios 1:5)

MEDITAÇÃO NA PALAVRA DE DEUS = CONHECIMENTO DE DEUS

Tive particular cuidado em definir a fórmula acima. Nota que não disse que ler a Palavra traz conhecimento. Nem mesmo estudar a Palavra. Mas, meditar nela traz vida. A meditação difere do ler e do estudar na medida em que implica uma análise interior medindo as nossas vidas pela Palavra e uma disposição à obediência. A parábola do semeador que Jesus contou é uma boa ilustração disso mesmo. Diferentes pessoas podem ouvir a mesma palavra e reagir a ela de maneira diferente, com resultados também eles diferentes. Sobre aqueles que buscam, esquadrinham, examinam, e aplicam a Palavra nas suas vidas – estes são os que meditam nela de dia e de noite – Deus tem as seguintes promessas:

  • Serão bem-aventurados. (Sl.1-2)
  • Alcançarão misericórdia e serão renovados na alegria da salvação. (Sl.77)
  • Pela obediência alcançarão prosperidade. (Jos.1:8)
  • Serão aprovados por Deus e pelos homens. (1Tm.4:15)
  • Não serão confundidos. (Sl.119:6)
  • Purificarão as suas vidas. (Sl.119:9-11)
  • Terão prazer em Deus. (Sl 119:103,111)

Muitas outras promessas estão vinculadas à meditação na Palavra de Deus. Encontramos muitas delas no Salmo 119. (Podes se quiseres enumerar algumas delas através da caixa de comentários para, em conjunto, meditarmos sobre elas). Qual tem sido a tua atitude perante a Palavra de Deus? Sabe que não poderás conhecê-Lo à parte da Sua Palavra. Sabe também que apenas ouvir a pregação da Palavra quando vais à Casa de Oração não é suficiente para te manter forte. Não podes ser sempre um menino à espera do leite. (Hb.5:12-13) Avança para coisas maiores. Fortalece-te. Busca a Deus pela Palavra. Aprende a fórmula de Deus:

MEDITAÇÃO NA PALAVRA DE DEUS = CONHECIMENTO DE DEUS = INTIMIDADE COM DEUS

_______________________________________________________

Se precisas de ajuda para orientar a tua meditação na Palavra de Deus podes encontrar algumas orientações aqui.

Para mais sobre a prática da intimidade com Deus, clique aqui.

Anúncios

Solitude, não solidão.

O grande vício do séc. XXI é estar permanentemente ligado. Networking, redes sociais, perfil social, são os conceitos fundamentais da aldeia global em que o mundo se tornou. Não imaginamos a nossa existência sem telemóvel. Se nos esquecemos dele ou ficamos sem bateria entramos em stress. Quando nos sentamos frente ao computador a primeira coisa que fazemos é ligar à internet para saber das novidades. Estamos constantemente a actualizar as páginas das redes sociais à espera de um novo contacto. Visitamos a caixa de correio electrónico vezes sem fim. Mas, isso não chega, hoje, o mundo é mobile, como nos assegura a publicidade, e, por isso tens de estar sempre ligado, em todo o lado.

Estar fora da rede é mal visto. És tomado por anti-social e esquisito. Como se não houvesse mundo fora da rede. Curiosamente, nunca nos sentimos tão sós como agora. Acumulamos centenas de amigos nas redes sociais mas, não temos um com quem possamos falar abertamente face-a-face. Não há tempo para conversas profundas porque o mundo muda a cada segundo. Há sempre novidades. Sempre mudança. Muitos estímulos. Nunca tempo para a intimidade.

Já não sabemos estar sós. Sentimo-nos mal. Ansiosos. Inquietos. Vazios. Insatisfeitos. No mundo de hoje já só temos solidão, não solitude. A solitude é a arte de saber estar só. A solidão é um estado negativo marcado pelo isolamento e sofrimento interior por não haver contacto com o outro. Podes sentir-te só mesmo no meio de uma multidão. Porque não te encaixas ou não te sentes pertencer àquele grupo. A solitude é um estado deliberado de isolamento, de privacidade. Não há medo de estar sozinho.

Os gurus modernos da auto-ajuda ensinam uma solitude que busca a criatividade, paz interior, bem-estar, contacto com o eu-interior, fortalecimento espiritual com base num esvaziamento da mente e foco no potencial humano. Esse ensino é profundamente diabólico. A Bíblia embora ensine a solitude nunca propõe o esvaziamento da mente. Pelo contrário. Nem coloca o potencial humano como foco principal. Pelo contrário. Deus é o foco. A solitude é o tempo a sós-com-Deus. A busca da Sua presença. O enchimento com a Sua palavra.

Muitos são os exemplos, nas Escrituras, de homens que se recolhiam para encontrar-se com Deus. Jesus, o Filho de Deus, é talvez o maior desses exemplos. Muitas vezes lemos nos Evangelhos que Jesus se retirava para um lugar à parte, normalmente o monte, para a solitude com Deus. O que Ele fazia durante esse tempo? Orava. Tinha comunhão com o Pai. Exercitava-se nas Escrituras. (Mt.4:1-11) Sem distrações. Sem ruído. Sem cronómetro. Esse era o segredo do poder do seu ministério. A Sua vontade estava sempre sintonizada com a vontade do Pai, porque entre os dois havia intimidade. Uma intimidade construída na solitude.

Desculpamo-nos com a falta de tempo. Temos sempre tanta coisa a fazer. Tantas solicitações. E, Jesus? Não era Ele constantemente solicitado por multidões. Não estava Ele completamente envolvido na missão de preparar os discípulos? No entanto, encontramo-Lo muitas vezes a sair do meio da multidão para um lugar à parte. Não penses que até mesmo o teu serviço para Deus substitui o tempo de comunhão intima com Ele. Não é porque estás envolvido no serviço a Deus que és íntimo de Deus. Lembra-te de Marta que descobriu que há uma parte ainda melhor que o serviço, que deve vir antes do serviço, a íntima comunhão com o Senhor. (Lc.10:38-42)

Eis alguns conselhos para promoveres um tempo de solitude com Deus:

  1. Desliga-te. Para buscares a intimidade com Deus precisas cortar com a rede que constantemente te mantém ocupado. Desliga o computador. A música. A televisão. Deixa para trás o telemóvel. Tudo o que possa distrair-te enquanto estás com Deus. Esse tempo é para ser passado com Deus. E, só com Deus. (Mt.14:23)
  2. Isola-te. Podes fazer isto onde quiseres, mas, procura um lugar onde não possas ser facilmente interrompido. Se estiveres em casa, fecha a porta do teu quarto e pede à tua família para não te incomodar até que saias. (Mt.6:6)
  3. Foca-te. Este não é um tempo para “pensar na morte da bezerra”. Não é para descansar o cérebro. A tua mente tão habituada a ser estimulada vai procurar qualquer coisa com que se ocupar. Preocupações. Planos. Sonhos. Concentra-te no que te trouxe ali – Deus. Pensa em Deus. No Seu Amor por ti. No bem que te tem feito. Nas Sua promessas. Nos seus mandamentos. Para isso, lê a Bíblia, e medita no que lês. Reflete naquilo que Deus está a revelar-te através da Sua Palavra. (1Tm.4:15)
  4. Entrega-te. Fala com Deus. Ora. Abre-Lhe o teu coração. Sem medo e sem reservas. Não há palavras certas. Deus quer sinceridade. Ao coração humilde Deus não rejeitará. (Tg.4:6; Sl.51:17; Sl.37:5)
  5.  Deleita-te. A intimidade com Deus é uma coisa preciosa. Não a desprezes. Não a olhes como se fosse um fardo ou um espartilho que te impede de ser feliz. Põe o teu prazer em Deus. (Sl.37:4)Deixa-O satisfazer a tua alma. Louva-O. Adora-O. (Sl.43:4) Mergulha na vida abundante que Jesus te deu. (Jo.10:10)

__________________________________________________________

Para mais sobre a prática da intimidade com Deus, clique aqui.