10 Passos para uma Vida Feliz

“Bom é que o coração se fortifique com graça.”
Hebreus 13:9

Todos queremos uma vida melhor. Mais feliz. Mais significativa. Queremos um coração cheio. Já todos (ou, quase) entendemos que a vida se faz com algo mais do que dinheiro, coisas, fama ou sucesso. Conhecemos quem tenha tudo isso e não saiba o que é viver. O coração, sede do que somos, das emoções, dos sonhos e das vontades, encontra satisfação em coisas inesperadas, quase sempre simples, sem preço e ao alcance de qualquer um. O que o coração precisa é Graça.

Ao estilo dos best-sellers de auto-ajuda, e inspirado no texto de Hebreus 13, proponho um caminho de 10 passos para uma vida cheia e com sentido.

1. Cultiva a Amizade.

No momento da criação Deus declarou: “Não é bom que o homem esteja só.” (Gn.2:18) Deus criou-te como um ser relacional. Constrói amizades genuínas, duradouras e que te permitam desenvolver todo o teu potencial. (Ec.4:9) Numa era em que acumulamos amizades virtuais o apelo ao amor fraternal é urgente. Põe o amor como a base sólida desses relacionamentos.

2. Mi casa es tu casa.

Faz da tua casa um lar. A família é um pilar fundamental da felicidade. Honra os teus pais. Respeita os teus filhos. Ama os teus irmãos. (Cl.3:17-21) Abre as portas para acolher os que precisam de conforto. Se o teu lar for o ponto central dos teus relacionamentos encontrarás um equilíbrio emocional, social, psicológico que se estenderá aos que te rodeiam.

3. Vive “com+paixão”!

A dor é parte da vida. Todos procuramos fugir do sofrimento, pois ele nos lembra da nossa miséria. Viver “com+paixão” é não olhar para o sofrimento do outro com indiferença. Não permitas que o teu coração se endureça. Alcança o outro no seu sofrimento. (Lc.10:25-37) Vais ver que suavizar as dores alheias é um bálsamo suave para a alma.

4 . Dá-te pelos outros.

Leva a tua compaixão à acção. Sê misericordioso. Chora com os que choram. (Rm.12:15)  Sai da tua zona de conforto e dá o teu tempo, dinheiro, talento e força em favor de quem precisa. O altruísmo é a expressão máxima da abundância de amor do teu coração. E, a matemática do coração é paradoxal – quanto mais repartes, mais tens.

5. Busca a pureza.

A sensualidade é um apelo poderoso ao teu corpo. E, aparentemente, um caminho fácil para o prazer disfarçado de felicidade. Se realmente houvesse nisso felicidade a taxa de divórcios não seria superior à de casamentos, o aborto não seria a solução final, as DST (doenças sexualmente transmissíveis) não destruiriam tantas vidas, os antidepressivos não seriam os medicamentos mais vendidos, o suicídio não seria a resposta para os desgostos amorosos. Aquilo que só dá prazer à carne não pode alimentar o espírito. Guarda o teu corpo. Goza a tua sexualidade dentro do padrão que Deus propõe. (1Ts.4:4)

6. Exercita a frugalidade.

As coisas têm um fascínio poderoso sobre nós. A publicidade cria necessidades artificiais que nos levam a dirigir todo o nosso esforço para TER em vez de SER. Aprende a viver com o que tens. Simplifica as tuas opções. Sê o senhor das tuas coisas, e não o contrário. (1Tm.6:10)

7. Ouve os teus líderes espirituais.

A espiritualidade é parte essencial da vida. És um ser espiritual. A noção de eternidade foi implantada no teu coração pelo próprio Deus. (Ec.3:11) Para que O buscasses. Aprende com os teus líderes espirituais. Ouve os seus conselhos. Obedece a sua orientação. Eles foram levantados por Deus para ser uma benção na tua vida. A sua experiência com Deus deve ser um estímulo ao teu próprio crescimento espiritual.

8. Firma as tuas convicções.

Busca a verdade e ela te libertará. (Jo.8:32) Enquanto andares sempre a mudar de opinião não poderás desenvolver as raízes que potenciarão o teu crescimento. Qualquer brisa te arrancará do lugar. (Cl.2:6-8) Estuda a Palavra de Deus. Firma as tuas convicções. Vive por elas. E, lembra-te: no dia em que puseres em causa uma só coisa daquilo que está escrito, argumentando segundo a tua conveniência, toda a tua fé será irremediavelmente posta em causa.

9. Cresce na Fé.

Desenvolve um relacionamento vivo com Deus. A base desse relacionamento é o sacrifício que Jesus Cristo fez na cruz em teu lugar. Ele pagou o preço do teu pecado. Ele esmagou a Satanás. Ele venceu a morte. (Hb.2:14) Ele ressuscitou para te capacitar a viver uma vida de santidade e de adoração a Deus – propósito para o qual foste criado. (Rm.7:4, 2Cor.5:15) Nunca te esqueças disso. Volta a este fundamento sempre. Para que cresças.

10. Sê generoso.

Deus deu o melhor que tinha por amor de ti. Quando dás o melhor de ti pelos outros revelas o carácter de Deus. Sê generoso. Amplia o teu coração. Olha para o mundo com os olhos de Deus. Deixa que Ele que ensine que melhor coisa é dar do que receber. (At.20:35)

Deus e os quebrantados

“O espírito do homem susterá a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o suportará?” Provérbios 18:14

Estar perto de alguém quebrantado não é fácil. A dor que lemos no rosto e nos gemidos do outro faz-nos sentir desconfortáveis. E, a impotência para mudarmos a sua situação faz-nos sentir um pouco sem jeito, sem saber o que fazer ou dizer.

O quebrantamento – nosso ou dos outros – confronta-nos com a nossa fragilidade. Somos quebrados, amachucados, abatidos até ao chão, e não podemos resistir. Somos vencidos, domados na nossa fúria e raiva que nos cega. Somos enfraquecidos, drenados de vigor, de energia, de entusiasmo. Somos prostrados.

Por vezes, é simplesmente a vida que nos machuca. Outras, as palavras de um amigo. Ou, um olhar interior que revela que ainda não somos que queremos ser.

Esses tempos difíceis podem ter um propósito:

“Os tempos difíceis são uma lente de aumento que nos mostra quanto precisamos dEle. É quando podemos sentir mais a presença de Deus. Lembra-te: Ele está perto do coração quebrantado, por isso não isto não deve ser uma surpresa.” – Josh Wilson, a propósito da sua música “Fall Apart“.

Deixa que Deus te sustente o coração quebrantado. Deixa que Ele te levante. Restaure. Molde. Para Sua Glória.

“(…) a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” Salmos 51:17

“Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.” Salmos 34:18

O olhar :: Devocional

29.Mar :: Provérbios 15:3

Temos um ditado popular que diz: “Longe do olhar, longe da alma.” O seu sentido é óbvio – quando as coisas ou as pessoas ficam fora do nosso radar de percepção temos tendência a esquecê-las e desvalorizá-las.

Esta sabedoria popular dá-nos uma compreensão maravilhosa do texto de hoje. O olhar de Deus, ou seja, todo o foco da sua atenção está constantemente sobre nós. Bons e maus. Ele sabe TUDO a nosso respeito. Conhece-nos. As fraquezas. As aspirações. As vontades. Ele sabe. E estamos sempre no seu coração. Porque Ele nos Ama.

  1. O que é que esta realidade te faz sentir?
  2. Que consequências isso tem para o teu relacionamento com Deus?
  3. O teu pecado, mesmo aquele que só tu conheces, não é oculto para Deus. O que é que isso implica no modo como lidas com o pecado?

Olhar a Bíblia – Mateus 14:1-13

Este episódio negro da vida de Herodes aprofundou o fosso de pecado, violência e licenciosidade em que já vivia mergulhado. A sua alma não encontrou sossego após o homicídio de João Batista. Este é o fruto de rejeitar os avisos solenes de Deus.

No entanto, em meio a circunstâncias tão terríveis e violentas, encontramos notas de esperança, compaixão e desafio para as nossas vidas. Aprendemos que o mesmo Espírito produz o mesmo fruto. Herodes confundiu Jesus com João Batista porque as suas obras e a sua pregação eram semelhantes. Quando permitimos que o Espírito Santo opere livremente em nós Ele produzirá frutos de santidade que traduzem a semelhança de Cristo. Herodes pensava que Jesus era a “re-encarnação” de João, mas o inverso era verdade: João, ungido pelo Espírito Santo, vivia na semelhança de Cristo.

A mentalidade pecaminosa do mundo não acolhe bem a santidade dos filhos de Deus. Esta é a segunda lição: a santidade incomóda. Herodes vivia em pecado e João Batista exponha esse pecado publicamente. Para calar essa voz acusadora Herodes mandou prendê-lo. Mas, aprisionar o servo não aprisiona a Palavra. João apresentou a sua vida como sacrifício de santidade a Deus, pois não se desviou da sua missão apesar das ameaças que pairavam sobre ele. À tua santidade o mundo reage com ódio, rejeição e perseguição.

O último pormenor que quero salientar é a reacção de Jesus. Quando ouviu o sucedido retirou-se para um lugar deserto, apartado. Estaria Jesus a fugir? Com medo? Não creio. Acredito que foi chorar o amigo, o conservo. Deus não é indiferente ao sofrimento dos seus filhos, e mesmo quando permite que enfrentem circunstâncias dolorosas, até no vale da sombra da morte, Ele permanece atento, cheio de compaixão. “Sofrer com” é o sentido de compaixão. O coração de Cristo sofreu com os padecimentos de João. O coração de Deus aperta-se com os teus.

Em que medida a tua vida mostra a semelhança de Cristo? Como tem reagido o mundo ao teu compromisso com a santidade?

.

_____________________________________________________________________

Poderás consultar esta e outras reflexões na secção Olhar a Bíblia.

Clica aqui para ler Mateus 14:1-13