Olhares e palavras :: Devocional

30.Mar :: Provérbios 15:30

Costuma dizer-se que as pessoas optimistas têm mais sucesso. A maneira como encaramos as circunstâncias tem uma grande influência no modo como lidamos com elas. Mas, como se faz um optimista?

O optimista é aquele que olha para todas as circunstância procurando oportunidades de desenvolvimento e crescimento. É quem tem uma auto-estima bem estruturada para poder posicionar-se em cada situação confortavelmente, isto é, estando contente e em paz com o que tem como base para alcançar mais. Pelo contrário, o pessimista não desfruta daquilo que tem pois está constantemente com medo de o perder.

Todos os filhos de Deus devem ser optimistas. A razão para isso não está na vida boa ou fácil que possam ter – o que muitas vezes não acontece –  mas porque a base da sua confiança e esperança é Deus! Posso estar feliz em qualquer circunstância, porque sei que Deus está no controlo de tudo.

Já falamos do uso da língua noutra ocasião (ver aqui). Agora Deus vai mais longe e acrescenta os olhos. O nosso semblante, a luz dos olhos, tem capacidade para influenciar os outros e mudar circunstâncias. Quando criamos uma atmosfera harmoniosa, quer com o nosso semblante quer com palavras, isso faz crescer o “optimismo” necessário para enfrentar o dia-a-dia. Se realmente amamos a Deus e estamos em comunhão com Ele, essa experiência deve transparecer por todos os poros! E os que estão à nossa volta não ficarão indiferentes.

  1. Consideras-te uma pessoa optimista ou pessimista?
  2. Já reparaste que quando estás com alguém bem-disposto, comunicativo e de “bem com a vida” te sentes melhor? A Bíblia ensina-nos que devemos “encher-nos do Espírito; Falando entre nós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no nosso coração; Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.” (Ef.5:18-20) Que diferença achas que isso introduz na tua experiência com Deus e com os outros?

A língua :: Devocional

24.Mar :: Provérbios 12:17-19,22

Dizia Eurípedes, poeta grego da antiguidade, que “A minha língua jurou, o meu coração não”. A mentira, as palavras torpes, a maledicência, a gabarolice, as falsas promessas, a ofensa, a injúria, são pecados que nascem da língua. Tiago dizia que nenhum homem pode domar a sua língua (Tg.3:8). A raíz de pecado que existe em nós faz sair da nossa boca aquilo que está no nosso coração e natureza, ou seja, tudo o que é mau.

Deus mostra-nos um caminho diferente. A língua pode ser um poderoso instrumento de benção quando está sujeita ao domínio do Espírito Santo.

  1. Como tens usado a tua língua? Ela tem sido um instrumento de benção ou de maldição?
  2. Tiago também diz que aquele que consegue dominar a sua língua está preparado para dominar todas as áreas da sua vida. (Tg.3:2) Por que achas que ele atribui uma importância tão grande a esta questão?
  3. Como é que a tua língua pode ser uma fonte de benção?