Se te faz feliz…

Há uma música que passo o dia a ouvir por conta de um anúncio publicitário que está sempre no ar: “If it makes you happy” de Sheryl Crow. O refrão diz:

“If it makes you happy, it can’t be that bad…”

(Trad.: “Se te faz feliz, não pode ser assim tão mau…”)

A música fala de uma busca obsessiva pelo prazer e felicidade tanto pessoal como relacional. A experimentação nos vícios, a imitação dos ídolos pop, a autocomiseração, e a vida bucólica são os caminhos seguidos tendo por base a tese de que, se alguma coisa te faz feliz (diria eu, se te faz sentir bem), então, talvez seja esse o caminho certo. O prazer do corpo é sinónimo de moralidade confirmada.

O valor moral das coisas não pode, no entanto, ser medido pelo prazer físico que nos aporta. É fácil desmontar este raciocínio. Basta lembrarmos os efeitos do álcool, drogas, e do sexo ocasional para entendermos que o prazer momentâneo não apaga as consequências negativas de tal estilo de vida, nem produz efeitos de felicidade duradoura.

A real felicidade – a tal satisfação e conforto que todos buscamos – tem os seus fundamentos numa moral que não está invertida. Que não é confirmada – ou infirmada – pelos nossos sentimentos. A moral é absoluta. Eterna. Justa. Pura. E, perfeita. Porque vem de Deus.

E andarei em liberdade; pois busco os Teus preceitos.
Salmos 119:45

Os seus efeitos são primeiro espirituais, depois emocionais, e, por último físicos, numa ordem decrescente de importância para a questão da felicidade. Quando adopto a moral divina sou feliz. Sou feliz independentemente das circunstâncias. Sou feliz porque tenho domínio sobre mim mesmo. Sou eu – guiado por Deus – que estou no controlo da vida e das coisas e não sou dominado por nenhuma delas. Esta é a felicidade que importa.

 “If it makes you happy then why the hell are you so sad?”

(Trad.: Se te faz feliz porque estás tão triste?)

Feliz (sentindo prazer) e triste simultaneamente. Este não é o contentamento descontente do Amor de Camões. É a frustração de uma vida cheia de muitos nadas. É que a soma de nadas é nada. Mas, a soma de Cristo é tudo!

Uma questão de prazer :: Devocional

7.Maio :: Provérbios 23:27-35

O lema das sociedades modernas é “Prazer imediato e sem limites”. O hedonismo – (do grego hedonê, “prazer”, “vontade”) – é uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma que o prazer é o supremo bem da vida humana. Deus não deseja que a nossa vida seja enfadonha. Pelo contrário, Ele deseja levar-nos ao gozo da felicidade plena. Mas, há caminhos e caminhos para lá chegarmos.

A nossa abordagem hedonista da busca pelo prazer conduz-nos a comportamentos  desregrados na área da sexualidade – pornografia, erotismo, prostituição, adultério –  e dos vícios – alcoolismo, drogas, etc. O resultado dessas escolhas está exposto no texto de hoje:

  • Torpor
  • Insaciedade
  • Frustração
  • Inconstância
  • Ruína

Por seu lado, o caminho que Deus propõe é: “Entrega-me os teus planos, desejos, vontade, e Eu te conduzirei! E te farei feliz!” (Sl.37:4,5, paráfrase minha)

  1. Qual tem sido a tua maior fonte de prazer?
  2. Qual são os riscos e benefícios dos comportamentos descritos no texto? Achas que o prazer compensa dos resultados?
  3. Ora a Deus e pede-Lhe que abra o teu coração para aprenderes a te deleitar nEle.