A Justiça de Deus em salvar pecadores (2)

Na Bíblia há duas palavras para descrever o modo como Deus tem lidado com o Homem. Essas duas palavras estão bem no coração da mensagem a que chamamos Evangelho. Misericórdia e Graça.

A Misericórdia refere-se ao facto de Deus não nos dar o castigo merecido. A Graça é o favor imerecido que recebemos de Deus. Os dois são uma clara violação a todo o conceito de Justiça que temos vindo a estudar. Como entender isto?

Em 1 Pedro 1:3-13 lemos que a Misericórdia e a Graça nos trouxeram:

  • uma viva esperança (vs.3)
  • uma herança incorruptível nos céus (vs.4)
  • protecção da ira de Deus (vs.5)
  • a salvação das nossas almas (vs.6,9)
  • um propósito na vida que não pode ser apagado pelas circunstâncias (vs.6,7)
  • gozo inesgotável (vs.6,8)
  • conhecimento de Deus (vs.13)

Pedro também explica qual o firme fundamento destas bençãos de Deus para nós:

“(…) testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir.”
1 Pedro 1:11

A mensagem do Evangelho sobre a Graça e Misericórdia de Deus não existe à parte de Jesus Cristo – dos Seus sofrimentos e da Sua glória. É a Obra da Cruz que desbloqueia a Graça para nós. O apóstolo Paulo explica isso mesmo em Romanos 3.

Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas…
Romanos 3:21

Deus manifestou a Sua Justiça de uma forma inesperada. Pela lei, a justiça divina examina a nossa obediência total a todos os preceitos e mandamentos do Senhor. Desse modo, todos estamos condenados. Mas, Deus, que é riquíssimo em misericórdia (Ef.2:4), manifestou uma Justiça mais gloriosa e sublime:

Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Romanos 3:22-24

Esta justiça não depende da nossa obediência à lei, logo, não depende de nenhum esforço ou vontade humana. Ela vem pela exclusivamente pela fé em Jesus Cristo, de modo que todos os que a recebem são iguais diante de Deus. Ele não nos custa nada, é-nos dada gratuitamente e imerecidamente pela Graça de Deus. Por último, ela depende inteiramente da redenção – o preço que foi pago – por Cristo Jesus.

Porque é que Deus faz isto? Porque é Deus Gracioso e Misericordioso e nos Ama. Como é que Deus faz isto sem violar a Sua Santidade e Justiça? Pelo sangue de Jesus Cristo.

Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Romanos 3:24-26

A Bíblia ensina que a morte de Jesus foi:

Substitutiva.

O castigo do pecado é a morte. Jesus não morreu pela Sua culpa e pecados, mas, pela nossa culpa e pelos nossos pecados. Ele tomou o nosso lugar no castigo que nos estava reservado por Deus. (Rm.5:6,8,10; Gl.1:4; Ef.2:5, Is.53:4-6)

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.
Isaías 53:4-6

Redentora.

A pena do pecado só pode ser paga com sangue (Hb.9:22). Quando Jesus verteu o Seu sangue na Cruz, Ele pagou o preço da nossa redenção, ou seja, da nossa liberdade da condenação. (Ef.1:7; Col.1:14; Hb.9:11-12)

Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,
Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
Hebreus 9:11-12

Propiciatória.

O Homem no Seu pecado rejeita a Deus. Deus na Sua Santidade arde em ira contra o Homem. O sacrifício de Jesus, substitutivo e redentor, faz a paz entre Deus e o Homem (Ef.2:13-16). Esse sacrifício permite que Deus nos seja favorável, ou, propício, mostrando Graça e Misericórdia. E, provando o Seu amor por nós, constrange-nos ao arrependimento e confissão de pecados, e à fé em Jesus Cristo (Col.1:20-21; Hb.9:24 Is.53:12).

Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.
Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,
Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz,
E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.
Efésios 2:13-16

Justificadora.

Agora, Deus julga-me mediante o sacrifício de Jesus Cristo. Ele morreu em meu lugar. Ele suportou a ira e condenação pelos meus pecados. Ele pagou o preço da minha liberdade. Ele abriu o caminho da Graça e da Misericórdia de Deus. Ele me tornou aceitável aos olhos de Deus. Como? Porque Deus vê em mim a perfeição e justiça de Jesus Cristo. (Is.53:10-12; Rm5:1,9,18-19; Cl.1:21-22; Hb.9:14; 10:10,14)

E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.
A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou
No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis
Colossenses 1:20-22

E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.
Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.
Hebreus 10:17-18

Onde há remissão – quando o preço já foi pago – não há mais oblação – oferta, novo pagamento devido – pelo pecado. Por isso, Deus é Justo em mostrar Graça e Misericórdia e perdão aos pecadores. Como diz,

Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Romanos 3:21-26

Ele é Justo e Justificador por causa da Obra de Jesus Cristo. O Deus Santo permanece Justo mesmo quando não condena o pecador (Misericórdia) porque a Sua Justiça foi satisfeita em Jesus Cristo. O Deus Santo permanece Justo mesmo quando salva o pecador (Graça) porque a Sua Justiça foi satisfeita em Jesus Cristo.

Onde está, então, o motivo de vanglória? É excluído.
Romanos 3:27

Toda a nossa vaidade, arrogância, presunção, ou mérito são anulados pela Cruz de Cristo – a nossa Justiça. Soli Deo Gloria. Glória somente a Deus.

______________________________

No próximo artigo responderemos à questão: O “que devo fazer para ser salvo?”

______________________________

Outros artigos da Série: A Justiça de Deus.

Jesus: o sinal de Deus :: Devocional

4.Dezembro :: Jesus, o sinal de Deus

No meio da adversidade, por vezes, é difícil discernir a presença e a intervenção de Deus. E, quando tudo à volta parece ruir, duvidamos que o plano d’Ele se vá cumprir em nós. Era este o contexto para o rei Acaz. Muitos anos depois das promessas iniciais de Deus sobre uma nação próspera sob a regência de Deus, tudo caminhava para um aparente fim. Depois do auge dos reinados de David e Salomão, a nação dividiu-se numa guerra civil que se perpetuou, e agora a facção rival aliava-se a um poderoso inimigo para o golpe final. O coração do rei tremia. O coração do povo fraquejava. O plano de Deus aparentemente falhava.

Mas, Deus não estava ausente. Através de Isaías, um profeta, Deus conforta o rei Acaz com promessas de vitória e restauração. E, perante a incredulidade dele, oferece-lhe um sinal profético:

“E continuou o SENHOR a falar com Acaz, dizendo: Pede para ti ao SENHOR teu Deus um sinal; pede-o, ou em baixo nas profundezas, ou em cima nas alturas.

Acaz, porém, disse: Não pedirei, nem tentarei ao SENHOR.
Então ele disse: Ouvi agora, ó casa de Davi: Pouco vos é afadigardes os homens, senão que também afadigareis ao meu Deus?

Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.”
(Isaías 7:10-14)

A validade da promessa divina seria confirmada por um sinal impossível de ignorar: uma virgem dar à luz um filho. A clareza do sinal tinha como propósito confirmar a fé daqueles que o reconhecessem. E, a impossibilidade de ele acontecer por acaso, confirmava a intervenção de Deus.

Este sinal profético, olhava para o futuro. Um futuro onde todas as promessas de Deus se cumpririam, triunfantemente, num só Homem, o Messias. Esse dia já chegou:

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.”
(Mateus 1:18)

“E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré,
A uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.
E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.
E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta.
Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus.
E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus.
Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;
E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.
E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?
E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.
(Lucas 1:26-35)

“E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi),
A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz.
deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.”
(Lucas 2:4-7)

Quando a tua fé fraquejar e parecer que Deus falhou contigo, lembra-te do sinal que foi dado como garantia da fidelidade de Deus: um menino nascido de uma virgem, pelo poder do Espírito Santo.

Jesus, o esmagador da serpente :: Devocional

3.Dezembro :: Jesus, o esmagador da serpente

No mundo perfeito criado por Deus entrou o Perturbador. Adão e Eva, criados à imagem e semelhança de Deus, para com Ele se relacionarem, receberam o mais precioso de todos os dons: a liberdade. Não era por imposição ou obrigação que amavam o Senhor, mas por escolha. Assim como foi por escolha que decidiram dar ouvidos a Satanás e desobedecer ao Criador.

A desobediência trouxe consequências catastróficas para a Humanidade. Pecado. Morte. Perda de comunhão. Vergonha. Ira. Castigo. Mas, na desolação do fracasso do Homem, Deus traz uma promessa de Redenção.

“Então o SENHOR Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda a fera, e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida.

E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Génesis 3:14,15)

O triunfo do perturbador Satanás, arruinando a Criação perfeita de Deus, não era a palavra final. A serpente seria esmagada – o diabo vencido. E, por quem? Pela semente da mulher. Uma promessa tão misteriosa que era ainda difícil de discernir. Mas, eis que 4000 anos depois,

“Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,

Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.

E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.

Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo.” (Gálatas 4:4-7)

A promessa do Éden cumpre-se em Jesus Cristo, e, de uma forma absolutamente gloriosa. Ele veio remir-nos, isto é, libertou-nos da dívida que tinhamos para com a justiça de Deus por causa do nosso pecado. E, por causa dEle, podemos ser acolhidos por Deus como filhos e herdeiros. Que mudança! De criaturas caídas a filhos de Deus!

O plano de Satanás foi frustrado pelo coração amoroso, compassivo, misericordioso e justo de Deus, que se dispôs a sacrificar o Seu próprio Filho para resgatar o Homem que O rejeitou no Éden. A serpente foi esmagada, e o Filho de Deus ferido.

“Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.

E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.” (Colossenses 2:14,15)

Foi por Amor de mim e de ti…