Jesus, a Luz da manhã

13.Dezembro :: Jesus, a Luz da manhã

Já assististe a algum nascer do sol? É uma coisa gloriosa! As trevas, o silêncio e o frio da noite são serenamente vencidos pela luz do sol que se levanta. Primeiro é só um prenúncio, uma penumbra que desfaz as trevas. Mas, logo se torna imparável, forte, invencível, explodindo em luz, cor, vida e calor por todo o lado.

Quando era um homem já velho, prestes a partir deste mundo, o grande rei David quis deixar uma última mensagem aos que ficavam. No seu leito de morte ele profetizou assim:

“Estas são as últimas palavras de Davi: Diz Davi, filho de Jessé, e diz o homem que foi levantado em altura, o ungido do Deus de Jacó, e o suave em salmos de Israel.

O Espírito do SENHOR falou por mim, e a sua palavra está na minha boca.

Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Haverá um justo que domine sobre os homens, que domine no temor de Deus.

E será como a luz da manhã, quando sai o sol, da manhã sem nuvens, quando pelo seu resplendor e pela chuva a erva brota da terra.” (2 Samuel 23:1-4)

Com o mesmo fulgor e esperança de um nascer do sol o Messias viria. Toda a glória alcançada por David não se compararia à do Redentor. O povo, o mundo estava em trevas, era necessária a Luz que trouxesse a Vida.

“Mas a terra, que foi angustiada, não será entenebrecida; envileceu nos primeiros tempos, a terra de Zebulom, e a terra de Naftali; mas nos últimos tempos a enobreceu junto ao caminho do mar, além do Jordão, na Galiléia das nações.

O povo que andava em trevas, viu uma grande luz, e sobre os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz.

Tu multiplicaste a nação, a alegria lhe aumentaste; todos se alegrarão perante ti, como se alegram na ceifa, e como exultam quando se repartem os despojos.” (Isaías 9:1-3)

João daria testemunho da Luz. A Luz que resplandece e as trevas não conseguem resistir. (Jo.1:1-9) A Luz que traz Ressurreição e Vida. (Jo.11:25) A Luz que é Jesus Cristo. (Jo.8:12)

Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã.” (Apocalipse 22:16)

Apesar de todos os benefícios da luz, ela também pode ser incómoda. A luz revela as coisas pelo que elas são. Mostra as falhas, os defeitos, expõe as fragilidades. É um assalto aos nossos jogos de dissimulação. A Luz expõe o pecado dos pecadores. Por isso, muitos pecadores fogem da Luz, preferindo as trevas. (Jo.3:19) Mas, esconder o pecado não é o mesmo que expurgá-lo. Vem para a Luz e vive!

Jesus, O rejeitado (parte 2 – os Gentios)

12.Dezembro :: Jesus, O rejeitado (parte 2 – os Gentios)

Já recebeste um presente inesperado? Um dia, sem justificação, sem pretexto, alguém chega perto de ti e dá-te um presente, apenas como prova do seu amor para contigo. É bom, não é? São os melhores presentes de todos, porque são a maior prova do amor sincero e genuíno do outro por nós.

O Messias era a promessa de Deus para o seu povo. No entanto, entretecida nas profecias está uma promessa de esperança para o mundo inteiro. O Messias seria o Redentor de toda a terra. E, seria o presente inesperado para um povo que não O buscava.

Fui buscado dos que não perguntavam por mim, fui achado daqueles que não me buscavam; a uma nação que não se chamava do meu nome eu disse: Eis-me aqui. Eis-me aqui. (Isaías 65:1)

A mensagem de esperança para os Gentios está presente desde sempre. Também eles sofrem com o pecado. Também eles estão debaixo da condenação. Também eles necessitam de um Redentor. Também eles são amados por Deus. A obra do Messias não beneficiaria apenas a Israel, mas, a todas as nações da terra. O Emanuel seria Deus Connosco, com todos os Homens. Que fantásticas notícias! Que bendita esperança! Que gloriosa Luz resplandece nas nossas trevas!

Eis aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios.

Não clamará, não se exaltará, nem fará ouvir a sua voz na praça.

A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega; com verdade trará justiça.

Não faltará, nem será quebrantado, até que ponha na terra a justiça; e as ilhas aguardarão a sua lei.

Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus, e os estendeu, e espraiou a terra, e a tudo quanto produz; que dá a respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela.

Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, e te tomarei pela mão, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, e para luz dos gentios.

Para abrir os olhos dos cegos, para tirar da prisão os presos, e do cárcere os que jazem em trevas.

Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura.

Eis que as primeiras coisas já se cumpriram, e as novas eu vos anuncio, e, antes que venham à luz, vo-las faço ouvir.

Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu louvor desde a extremidade da terra. (Isaías 42:1-10)

Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra. (Isaías 49:6)

Muitos séculos mais tarde, João descreve de forma tão sublime no seu Evangelho, o cumprimento desta profecia:

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

Ele estava no princípio com Deus.

Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.

E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.

Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.

Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo. (João 1:1-9)

Jesus, o Verbo Eterno, encarnou. O Messias veio ao mundo em trevas, e Ele era a Luz dos Homens. O próprio Jesus mais tarde afirmou isso mesmo:

Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida. (João 8:12)

Todavia a reacção generalizada dos Homens à oferta de amor de Deus foi inimaginável. Os Homens amaram mais as trevas do que a Luz. Preferiram esconder o seu pecado nas trevas do que se livrarem dele na Luz. As nações rejeitaram o Messias.

Por que se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs?

Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o SENHOR e contra o seu ungido, dizendo:

Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas. (Salmos 2:1-3)

Numa das mais pungentes profecias acerca do Messias, Isaías descreve como o Homem recebeu a oferta de amor de Deus. E, descreve porque razão o Deus Omnisciente enviou o Seu Filho para ser Messias.

Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR?

Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.

Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.

Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.

Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido.

E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.

Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão.

Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si.

Por isso lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores. (Isaías 53:1-12)

Nem todos crerão. Mas, pelos que crêem Jesus se dispôs a entregar a sua vida.

Porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te pus para luz dos gentios, A fim de que sejas para salvação até os confins da terra.

E os gentios, ouvindo isto, alegraram-se, e glorificavam a palavra do Senhor; e creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna. (Actos 13:47-48)

Jesus, o rejeitado (parte 1 – Israel)

11.Dezembro :: Jesus, o rejeitado (parte 1 – Israel)

Já alguma vez ansiaste por um presente muito desejado? Não conseguias pensar noutra coisa. Já te imaginavas a brincar com ele. Não falavas de mais nada. E, à medida que o momento de recebê-lo se aproximava quase nem conseguias dormir. Basta recuarmos à nossa infância para nos lembrarmos de como é.

Talvez te lembres também da desilusão sentida quando ao rasgar freneticamente o papel de embrulho não encontravas o presente desejado. O carro de corridas telecomandado não passa de um simples carrinho que tens que empurrar para todo o lado. O videojogo do momento é afinal um livro sem figuras. A boneca transformou-se subitamente num chato par de meias. Da desilusão à birra é um pequeno passo. Tudo com o que sonhaste subitamente se desfez no ar. Talvez isto até seja só um sonho mau. Um pesadelo do qual vais acordar em breve. O dia da festa é só amanhã. Mas, o amanhã nunca mais chega.

Pela boca do profeta Isaías ouve-se um lamento:

Quem deu crédito à nossa pregação? (Isaías 53:1)

A Terra ansiava pelo Redentor. Israel suspirava pelo Messias. A nação fundada por Deus estava ferida, dividida em dois, mergulhada numa guerra fratricida que parecia não ter fim. O descanso prometido pelo Senhor era uma miragem no meio da guerra com os povos vizinhos. A prosperidade outrora gozada parecia perdida para sempre. A mensagem dos profetas era cada vez mais dura, acusadora e terrível. “Precisamos do Messias. Queremos o Messias!”, era o clamor que crescia nas ruas de cada vez que os profetas traziam mais um oráculo da parte de Deus.

No entanto, no meio da crescente expectação, que se avolumou com os anos, no cativeiro, e, depois do exílio, ressoava o lamento de Isaías, e os avisos velados sobre o perigo de falhar o reconhecimento do Messias aquando da Sua chegada.

A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça da esquina. (Salmos 118:22)

Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis.

Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado. (Isaías 6:9-10)

Então ele vos será por santuário; mas servirá de pedra de tropeço, e rocha de escândalo, às duas casas de Israel; por armadilha e laço aos moradores de Jerusalém.

E muitos entre eles tropeçarão, e cairão, e serão quebrantados, e enlaçados, e presos. (Isaías 8:14-15)

Quando muitos anos mais tarde João nos relata o milagre da Encarnação ele tristemente afirma:

Veio para o que era seu, e os seus não O receberam.
(João 1:11)

Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra, que os edificadores rejeitaram, Essa foi posta por cabeça do ângulo; Pelo Senhor foi feito isto, E é maravilhoso aos nossos olhos?

Portanto, eu vos digo que o reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos.

E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.

E os príncipes dos sacerdotes e os fariseus, ouvindo estas palavras, entenderam que falava deles. (Mateus 21:42-45)

Os avisos a Israel aparentemente não produziram efeito. Eles eram como aquele menino que ansiava tanto por um presente que tinha idealizado nos seus sonhos, que, ao abrir o presente real que tinha em suas mãos se desiludiu e fez birra. Não que o presente não fosse bom, melhor até do que tinham sonhado, mas, não era o que eles queriam. Israel queria um Messias poderoso aos seus olhos. Um rei. Um líder militar. Um revolucionário. Um visionário. Um que fosse capaz de lhes restaurar a glória terrena que desejavam. Quando Deus envia um Messias nascido humilde e pobre, sem aspirações políticas ou religiosas, disposto a dar a Sua vida em favor dos pecadores, Israel sentiu-se defraudado. Como se a glória de um palácio fosse maior ou melhor do que a Glória da presença de Deus. Como se a destruição dos opressores humanos fosse mais libertadora do que a aniquilação do diabo, do pecado e da morte. Como se o perdão dos pecados fosse a menor de todas as dádivas.

Disse-lhes, pois, Jesus: A luz ainda está convosco por um pouco de tempo. Andai enquanto tendes luz, para que as trevas não vos apanhem; pois quem anda nas trevas não sabe para onde vai.

Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Estas coisas disse Jesus e, retirando-se, escondeu-se deles.

E, ainda que tinha feito tantos sinais diante deles, não criam nele;

Para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías, que diz: Senhor, quem creu na nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do Senhor?

Por isso não podiam crer, então Isaías disse outra vez:

Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, A fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, E se convertam, E eu os cure.

Isaías disse isto quando viu a sua glória e falou dele. (João 12:35-41

Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;

E não quereis vir a mim para terdes vida.

Eu não recebo glória dos homens;

Mas bem vos conheço, que não tendes em vós o amor de Deus.

Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis.

Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de Deus?

Não cuideis que eu vos hei de acusar para com o Pai. Há um que vos acusa, Moisés, em quem vós esperais.

Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele.

Mas, se não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras? (João 5:39-47)

Israel rejeitou O desejado. Mas, mesmo assim Ele veio. Por Amor.

Jesus, o desejado das nações

10.Dezembro :: Jesus, o desejado das nações

Desde a Queda que a criação anseia por redenção. Se a soberania amorosa de Deus pareceu castradora a Adão e Eva, uma vez experimentada a escravidão humilhante e destrutiva do pecado, o Homem tem buscado libertar-se dos grilhões pesados e inflamados que o puxam para a ruína eterna.

Desde a Queda que Deus oferece redenção. As promessas feitas aos primeiros pais foram-se revelando ao longo da História e caminhando para o clímax perfeito da obra que Deus havia de realizar para restaurar o Homem. Quando Deus escolheu dentre todos os homens, um, Abrão, para mostrar ao mundo o Seu propósito fez-lhe uma promessa enigmática:

Então o Senhor disse a Abrão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei.

“Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção.

Abençoarei os que o abençoarem, e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados“. (Gênesis 12:1-3)

Como poderia este homem, um desconhecido pastor de Ur, ser a benção de toda a terra? Mais tarde, quando se dispôs a sacrificar o seu filho Isaque num altar ao Senhor, Deus renovou a Sua promessa dizendo:

“Juro por mim mesmo”, declara o Senhor, “que por ter feito o que fez, não me negando seu filho, o seu único filho, esteja certo de que o abençoarei e farei seus descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia das praias do mar. Sua descendência conquistará as cidades dos que lhe forem inimigos e, por meio dela, todos povos da terra serão abençoados, porque você me obedeceu”. (Gênesis 22:16-18)

Deus revelava que não apenas Abraão seria uma benção, mas também a sua descendência seria benção para toda a terra. Muito tempo mais tarde, através do profeta Isaías ficamos a saber que:

Um ramo surgirá do tronco de Jessé, e das suas raízes brotará um renovo.

O Espírito do Senhor repousará sobre ele, o Espírito que dá sabedoria e entendimento, o Espírito que traz conselho e poder, o Espírito que dá conhecimento e temor do Senhor.

E ele se inspirará no temor do Senhor. Não julgará pela aparência, nem decidirá com base no que ouviu;

mas com retidão julgará os necessitados, com justiça tomará decisões em favor dos pobres. Com suas palavras, como se fossem um cajado, ferirá a terra; com o sopro de sua boca matará os ímpios.

A retidão será a faixa de seu peito, e a fidelidade o seu cinturão.

O lobo viverá com o cordeiro, o leopardo se deitará com o bode, o bezerro, o leão e o novilho gordo pastarão juntos; e uma criança os guiará.

A vaca se alimentará com o urso, seus filhotes se deitarão juntos, e o leão comerá palha como o boi.

A criancinha brincará perto do esconderijo da cobra, a criança colocará a mão no ninho da víbora.

Ninguém fará nenhum mal, nem destruirá coisa alguma em todo o meu santo monte, pois a terra se encherá do conhecimento do Senhor como as águas cobrem o mar.

Naquele dia as nações buscarão a Raiz de Jessé, que será como uma bandeira para os povos, e o seu lugar de descanso será glorioso. (Isaías 11:1-10)

Ainda sem entendermos muito bem o que Deus faria agora sabemos que tantas gerações depois, Deus ainda mantém a Sua promessa. Um descendente de Jessé (também ele descendente de Abraão) viria cheio do Espírito para trazer redenção a toda a Terra. O desejado das nações traria finalmente o descanso.

Registro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão:

Abraão gerou Isaque; Isaque gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos;

(…)

e Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, cuja mãe tinha sido mulher de Urias;

(…)

e Jacó gerou José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado Cristo.

Assim, ao todo houve catorze gerações de Abraão a Davi, catorze de Davi até o exílio na Babilônia e catorze do exílio até o Cristo.

Foi assim o nascimento de Jesus Cristo (Mateus 1:1-18)

Quando Jesus Cristo nasceu o propósito de Deus ficou ainda mais perto de se cumprir. E, pela Sua vida perfeita, morte expiatória e ressurreição gloriosa Deus atesta ao mundo inteiro que é em Jesus Cristo que há salvação. Ele é O desejado. A descendência de Abraão que abençoaria todas as nações da Terra.

“De fato, todos os profetas, de Samuel em diante, um por um, falaram e predisseram estes dias.

E vocês são herdeiros dos profetas e da aliança que Deus fez com os seus antepassados. Ele disse a Abraão: ‘Por meio da sua descendência todos os povos da terra serão abençoados’.

Tendo Deus ressuscitado o seu Servo, enviou-o primeiramente a vocês, para abençoá-los, convertendo cada um de vocês das suas maldades“. (Actos 3:24-26)

Isso para que em Cristo Jesus a bênção de Abraão chegasse também aos gentios, para que recebêssemos a promessa do Espírito mediante a fé. (Gálatas 3:14)

Assim também as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. A Escritura não diz: “E aos seus descendentes”, como se falando de muitos, mas: “Ao seu descendente”, dando a entender que se trata de um só, isto é, Cristo. (Gálatas 3:16)

E, se vocês são de Cristo, são descendência de Abraão e herdeiros segundo a promessa. (Gálatas 3:29)

A salvação por que anseias está em Jesus Cristo. Glória a Deus por que manteve fiel a Sua promessa e nos trouxe o Salvador, para desfazer os grilhões do pecado, da morte e do juízo e nos conduzir ao descanso na Casa do Pai.

Jesus, a videira verdadeira

Até onde vai o alcance de uma benção? A pergunta pode parecer estranha, mas, tem a intenção de nos fazer reflectir sobre a infalibilidade das promessas de Deus. Quando Jacó, já velho, reuniu os filhos em torno do seu leito para os abençoar, aconteceram coisas surpreendentes. Logo à partida, o filho primogénito não recebeu a benção maior e recebeu reprimenda. O segundo e terceiro foram também repreendidos. As palavras e a herança mais doce foi para José – o que não surpreende – e para Judá.

Judá, a ti te louvarão os teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de teus inimigos; os filhos de teu pai a ti se inclinarão.

Judá é um leãozinho, da presa subiste, filho meu; encurva-se, e deita-se como um leão, e como um leão velho; quem o despertará?

O ceptro não se arredará de Judá, nem o legislador dentre seus pés, até que venha Siló; e a ele se congregarão os povos.

Ele amarrará o seu jumentinho à vide, e o filho da sua jumenta à cepa mais excelente; ele lavará a sua roupa no vinho, e a sua capa em sangue de uvas.

Os olhos serão vermelhos de vinho, e os dentes brancos de leite. (Gênesis 49:8-12)

Judá teria um papel fundamental no governo da futura nação. Davi era descendente de Judá. E, mais importante do que Davi, Jesus, o Rei Eterno, o que tem o ceptro para sempre. Até que venha Siló, os olhos do velho Jacó viam muito além do seu filho Judá. Ele lembrava-se das promessas que Deus tinha feito ao seu avô, Abraão, ao seu pai, Isaque, e a ele mesmo. Deus não falharia. O Messias viria um dia.

Por causa d’Ele, Judá podia descansar junto à videira. A sua prosperidade estava enraizada na videira. O seu vigor vinha da seiva de vida da vide excelente. O seu fruto estava seguro na cepa que não pode ser abalada.

Anos mais tarde, preparando os discípulos para dias difíceis, Jesus declara-lhes abertamente:

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.

Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.

Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.

Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.

Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.

Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem. (João 15:1-6)

A benção de Jacó cumpria-se. Siló chegara. O ceptro não sairia das suas mãos. E n’Ele seria achada a vida. Todas as promessas de prosperidade, de benção, de crescimento, de descanso encontram o seu fim (e início) em Jesus. Somente ligado a Ele poderás viver e dar fruto.