Escolhas

Uma das músicas da nova Pop portuguesa que anda nos ouvidos do mundo é do grupo “A Miúda” e diz assim: “Eu durmo com eu quero e faço o que me apetece com quem eu quero aquilo que quero fazer”. Penso que é uma boa descrição da mentalidade pós-moderna que exalta o indivíduo acima de todas as coisas.

image

Esta mentalidade, mesmo  parecendo contemporânea, é quase tão antiga como o Homem.  “A Bíblia fala de um tempo em que “cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos.” (Juízes 21:25) Sentimo-nos no direito de viver as nossas vidas conforme nos parece bem. Fazemos as nossas escolhas como queremos, quando queremos, e onde queremos apontando sempre para o nosso máximo prazer sem olhar a mais nada.

Esquecemos Deus. Desprezamos Deus. Odiamos Deus. E, Deus, mesmo amando-nos ” os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, (Rm.1:24) os abandonou às paixões infames, (Rm.1:26) os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia. (Rm.1:28-31)

Deus lamenta as nossas escolhas. “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento.” (Os.4:6) O conhecimento de que o texto fala é o conhecimento de Deus. Se “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Pv.1:7), então a rejeição do Senhor é o princípio da nossa destruição.

É tempo de fazer escolhas, e de ser sábio. Deus que te ama diz: “Escolhe a vida (Deus) para que vivas!” (Dt.30:19)

Anúncios

Manual de sobrevivência :: Devocional

14.Maio :: Provérbios 26:4-5

Sobreviver neste mundo hostil a tudo o que é verdadeiro, puro e justo não é tarefa fácil. Há mesmo quem pense que Deus chama os cristãos a serem os coitadinhos deste mundo. Os seus valores impedem-nos de atingir o sucesso. O mandamento para que sejam pacíficos, mansos e humildes atira-os para aquela categoria de pessoas por quem todos podem passar por cima.

É curioso como é possível que uma sociedade inverta tanto os seus valores fundamentais. Mas, a leitura que fazem do chamado de Deus é errada! Deus não nos chama a ser coitadinhos! O Seu chamado é para sermos a maior influência positiva que este mundo já conheceu! Sal e Luz! (Mt.5:13-16) A vivência pessoal do Evangelho trará significado à nossa vida. E terá repercurssões em todos os que nos rodeiam. É como uma onda de Vida que flui para cobrir a Terra da glória de Deus.

Colocar em prática esse desígnio implica não nos amesquinharmos perante os outros. O texto de hoje fala disso mesmo. Não podemos ser como os demais. É imperativo que não procedamos como eles, que não baixemos o nosso padrão de justiça apenas para sobreviver. Mas, não deixemos de mostrar a prosperidade podre em que julgam viver. Demonstremos em tudo a vida excelente que Deus e a obediência aos seus mandamentos nos proporciona.

  1. Já alguma vez sentiste esse “complexo de inferioridade” por seres cristão?
  2. Como superar esse sentimento ao mesmo tempo que não abdicas da tua fé?

Penso eu de que!

Vivemos no tempo em que cada um tem a sua própria verdade! Coisa estranha esta, que tantas coisas diferentes, por vezes contrárias, poderem ser “verdade” simultaneamente. A solução encontrada: o Relativismo. Acaba-se com a Verdade Absoluta – a única que realmente existe! –  e inventam-se muitas “verdades” relativas, feitas à medida dos interesses de cada um. Pena que, a minha verdade, a tua verdade, e a verdade dele, não sendo coincidentes com A VERDADE ABSOLUTA, não passem de mentiras encapotadas.

Num artigo de opinião que li recentemente numa revista profissional, um orador internacional falava sobre ética profissional. Fiquei estupefacto com aquilo que li.

A êthica possuía, para os gregos, dois sentidos complementares: o primeiro derivava de êthos e significava, numa palavra, a interioridade do acto humano, ou seja, aquilo que gera uma acção genuinamente humana e que brota a partir de dentro do sujeito moral, ou seja, êthos remete-nos para o âmago do agir, para a intenção. Por outro lado, êthica significava também éthos, remetendo-nos para a questão dos hábitos, costumes, usos e regras, o que se materializa na assimilação social dos valores. (Fonte: Wikipédia)

O conceito de ética não pode ser separado da moral e vice-versa. Poderíamos definir ética como o pensamento sobre o melhor modo de interacção social com a finalidade de obter o melhor bem-estar possível, isto é, a felicidade. Neste domínio, considera-se tanto o carácter do indivíduo – reflectindo todo o universo de valores em que acredita – e a conduta social que esse carácter produz.

Dizia o artigo que li: “A ética é relativa.” A base desta argumentação é o facto de que em diferentes culturas um determinado comportamento poder ser aceitável ou não como ético, dependendo das normas de conduta desenvolvidas ao longo dos tempos. Foram dados os seguintes exemplos: “No Alasca, o esquimó tem o hábito de oferecer a sua mulher ao amigo, na primeira noite que este passar em sua casa. Nos países árabes, a mulher comete adultério se cruzar o olhar com o de outro homem que não seja o seu marido.” Segundo o autor, estes comportamentos que consideramos errados, são éticos nas respectivas culturas. Numa análise simplista diremos que sim. Mas, este argumento deitaria por terra todos os esforços de fazer valer, por exemplo, a Carta Universal dos Direitos do Homem, uma vez que, mesmo que um determinado comportamento seja contrário à noção ética de uns, será aceitável para outros, pelo que não poderemos nunca chegar à defesa de uma verdade fundamental. Esta é a grande falácia desta linha de pensamento. Os comportamentos referidos, não são aceitáveis porque, num caso se trata a mulher como um objecto e noutro como uma propriedade, colidindo assim com um princípio fundamental, verdadeiro em qualquer momento da História, e em qualquer parte do Mundo, que é a dignidade da pessoa humana – princípio esse que foi instituído por Deus.

Mais à frente no artigo lê-se: “Ética pessoal e profissional confundem-se, mas não se deve supor que a existência de uma implique a existência da outra (…) Por exemplo, um pai de família exemplar pode ser um profissional sem nenhuma ética, que não perde a oportunidade de aumentar o seu rendimento mensal com ganhos ilícitos.” A minha estupefacção aumenta! Segundo o autor, é perfeitamente normal que uma pessoa sem escrúpulos possa ser um bom chefe de família, logo uma referência de valores no lar. Posso ligar ou desligar a dimensão ética da minha vida como se acende ou apaga uma lâmpada! Que hipocrisia! E que distorção do verdadeiro sentido da Ética e da Moral. O carácter de uma pessoa é avaliado por tudo quanto faz. Não é 1 acto de bondade que faz um santo, assim como não é 1 falha que faz um escroque.

Isto é o que acontece quando se anula o padrão absoluto da Verdade. Não há limites para a perversão humana. Deus, o Ser Absoluto, Eterno, Santo, Justo, Verdadeiro e Imutável é a fonte desse padrão de justiça, moral e ética. Ele é a referência absoluta e imutável de que precisamos para dar sentido à nossa visão do mundo. Mas, a escolha do Homem tem sido trocar a verdade sobre Deus pela mentira (Rm1:25), a fim de poderem satisfazer os seus desejos perversos sem a acusação das suas consciências. Um dia, no entanto, todos serão avaliados e julgados pelo padrão da Verdade Absoluta que Deus estabeleceu, e as nossas verdades relativas de nada nos irão valer.