Jesus, o grande Sacerdote

Quando um grande grupo de pessoas quer fazer ouvir a sua contestação pode vir para a rua e manifestar-se de forma ruidosa. Mas, se o mesmo grupo quiser negociar as suas reivindicações terá que eleger entre si um representante, um porta-voz, que sirva como interlocutor entre as partes.

Num contexto espiritual, da relação do Homem com Deus, a Bíblia também nos aponta essa figura – o sacerdote.

Porque todo o sumo sacerdote, tomado dentre os homens, é constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus, para que ofereça dons e sacrifícios pelos pecados;
E possa compadecer-se ternamente dos ignorantes e errados; pois também ele mesmo está rodeado de fraqueza.
E por esta causa deve ele, tanto pelo povo, como também por si mesmo, fazer oferta pelos pecados.
Hebreus 5:1-3

A função do sacerdote é fazer a ligação entre o Homem e Deus. O seu carácter deve ser manso e compassivo. Ao interceder perante Deus pelos pecados de outrem deve lembrar-se que ele, igualmente, carece de misericórdia.

Por causa dessa sua fraqueza humana, o sacerdote não pode garantir o perdão dos pecados. Tanto ele, como aqueles por quem suplica, se entregam à misericórdia de Deus.

Mas, uma profecia deixa antever um rasgo de esperança. Um novo Sacerdote capaz de garantir o nosso acesso ao Santo Deus.

Eis aqui o homem cujo nome é RENOVO; ele brotará do seu lugar, e edificará o templo do SENHOR.
Ele mesmo edificará o templo do Senhor, e ele levará a glória; assentar-se-á no seu trono e dominará, e será sacerdote no seu trono, e conselho de paz haverá entre ambos os ofícios.
Zacarias 6:12-13

O Rei-Sacerdote pode garantir o perdão. Aquele que julga pode estender misericórdia.

Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.
Romanos 8:34

Jesus, o Filho de Deus, encarnou. Ele se fez Homem como nós. Padeceu as mesmas dores. Viveu sem pecado. Ofereceu a Sua vida em favor de pecadores. Ressuscitou ao terceiro dia. Foi elevado à glória do Pai. Assentou-se no trono para reinar soberano. E, intercede por nós. Haverá maior prova do Amor de Deus?

Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo.
Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.
Hebreus 2:17-18

Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão.
Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.
Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.
Hebreus 4:14-16

Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo.
Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.
Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus;
Que não necessitasse, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente por seus próprios pecados, e depois pelos do povo; porque isto fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo.
Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre.
Hebreus 7:24-28

Tendo preparado todas estas coisas o Senhor, na Sua sabedoria estabeleceu que:

Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.
1 Timóteo 2:5

Vem hoje a Cristo.

Jesus, a Ressurreição e a Vida

Não permitirás que o teu Santo veja corrupção.
Salmos 16:10

Qual é o maior terror do Homem? A morte. Tememos a doença, a solidão, o desemprego, a carência, mas trememos diante da morte. Ela é o último inimigo fatalmente invencível.

Curiosamente esse temor é talvez a melhor evidência da nossa consciência de que com a morte não vem o fim. Se com a morte acabasse tudo por que temer? Mas, Deus pôs a eternidade no coração do Homem. (Ec.3:11)

Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo.
Hebreus 9:27

A noção de eternidade traz consigo a realidade do juízo, do prestar de contas, da culpa que carregamos pelo nosso pecado. A ideia de termos de nos confrontar com Deus deixa-nos aterrados.

Mas, há um brado que ecoa desde a eternidade. Um clamor de esperança que traz sossego à alma.

Onde está, ó morte, o teu aguilhão?
1 Coríntios 15:55

Será possível que a morte não seja um terror? Há alguma esperança de escapar ao Juízo sem ser condenado? De Jesus se diz:

A Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis;
A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;
Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não era possível que fosse retido por ela.
Atos 2:22-24

A morte não teve poder sobre Jesus. Ele, o Autor da Vida, entregou-se à morte para sofrer a condenação que nós merecíamos. Entregou-se à morte para dela triunfar em si mesmo.

Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.
E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.
Colossenses 2:14-15

Sobre a morte, para aqueles que crêem, agora há uma nova perspectiva. O terror dissipou-se. O medo murchou. A esperança raiou por Jesus Cristo.

Tragada foi a morte na vitória.
Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?
Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.
1 Coríntios 15:54-57

Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho.
Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei então o que deva escolher.
Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.
Filipenses 1:21-23

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;
E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?
João 11:25-26

Jesus, contado entre transgressores

(…) e foi contado com os transgressores. (…)
Isaías 53:12

É um longo corredor, amplo. Nele reconheces muitos vultos. Rostos cerrados, cabisbaixos. Em alguns o olhar de revolta, de violência, noutros a perplexidade inesperada. Sobre cada um paira uma acusação. Homicídio. Estrupo. Ódio. Discriminação. Avareza. Roubo. Mentira. Corrupção. Infidelidade. Adultério. Cobiça. Engano. Bebedice. Vícios. Desonra. Desobediência. Negligência. Rancor. Parcialidade. Injustiça. Imoralidade. Falta de misericórdia. Sem afeição. Desprezo. Impiedade.

Ninguém ousa erguer o olhar. Todos sabem a sua culpa. Nesse mar de Homens estou eu, e, estás tu. Estamos todos.

Então disse Pilatos aos principais sacerdotes, e às multidões: Não acho culpa alguma neste homem (Jesus).
Lucas 23:4

Então Pilatos convocou os principais sacerdotes, as autoridades e o povo, e disse-lhes: Apresentastes-me este homem (Jesus) como pervertedor do povo; e eis que, interrogando-o diante de vós, não achei nele nenhuma culpa, das de que o acusais; nem tampouco Herodes, pois no-lo tornou a enviar; e eis que não tem feito ele coisa alguma digna de morte.
Lucas 23:13-15

Falou-lhes, então, pela terceira vez: Pois, que mal fez ele? Não achei nele (Jesus) nenhuma culpa digna de morte.
Lucas 23:22

E era a hora terceira quando o (Jesus) crucificaram.
Por cima dele estava escrito o título da sua acusação: O REI DOS JUDEUS.
Também, com ele, crucificaram dois salteadores, um à sua direita, e outro à esquerda.
E cumpriu-se a escritura que diz: E com os malfeitores foi contado.
Marcos 15:25-28

Um inocente contado entre malfeitores. Aquele em quem não foi achada culpa alguma apontado como transgressor. Como pode ser isto? Por que é que Deus permitiu uma coisa como esta?

Todavia, foi da vontade do Senhor esmagá-lo, fazendo-o enfermar; quando ele se puser como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias, e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos.
Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo justo justificará a muitos, e as iniqüidades deles levará sobre si.
Pelo que lhe darei o seu quinhão com os grandes, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma até a morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu.
Isaías 53:10-12

Foi o meu pecado. Foi o teu pecado. Para que Deus pudesse perdoar a mim e a ti, Jesus teve que levar sobre Si os meus e os teus pecados. Ele foi a oferta pelo pecado que Deus aceitou. A Sua morte na Cruz satisfez a Justiça de Deus, e alcançou para pecadores como eu e tu a justiça que não tínhamos.

Jesus deu-se a si mesmo. O Pai O esmagou. Porque viram o “fruto do trabalho”, a “posteridade”. Viram a mim e ti, e a todos os que crêem. E ficaram satisfeitos. Glória a Deus!

Jesus, o Servo sofredor

17.Dezembro :: Jesus, o Servo sofredor

Quanta dor pode um Homem suportar?

Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido?
Salmos 22:1

Uma vez vi um documentário sobre pessoas que sobreviveram a situações impossíveis. Um dos casos era de um homem que teve um acidente na montanha. Uma pedra rolou sobre ele e esmagou-lhe uma perna. Preso e sem esperança de ser encontrado pelas equipas de salvamento o homem inexplicavelmente consegui mover o bloco de granito e soltar a perna.

Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude.
Salmos 22:11

Nos dias de Nero milhares de cristãos foram perseguidos, torturados, deitados às feras e queimados vivos como piras para iluminar Roma. No auge do seu suplício muitos cantavam e davam glória a Deus.

Mas tu, Senhor, não te alongues de mim. Força minha, apressa-te em socorrer-me.
Salmos 22:19

Uma mãe perdeu o seu filho bebé. A dor que lhe rasga o peito sufoca toda a sua vida. O corpo inerte do seu bebé de apenas 2 meses tem que lhe ser arrancado dos braços. Os dias passados a chorar. O olhar vazio.

O sofrimento incomoda-nos. Na nossa inquietação lançamos acusações contra Deus. “Se Deus existe porque razão há fome?” “Se Deus é amor porque permite que as criancinhas sofram?” Cada uma dessas acusações é uma afronta ao carácter Santo e Amoroso de Deus. E uma injustiça porque Ele, como nós, sabe o que é padecer.

Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.
Isaías 53:3-5,7

Ele compreende as tuas dores. Ele compadece-se do teu sofrimento. Ele entende. Porque Ele se fez Homem, como tu. E, porque te ama muito mais do que imaginas.

Sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim.
João 13:1

Nenhum Homem suportou as dores que Jesus sofreu por mim e por ti. A sua angústia era tanta que, antevendo o que viria a acontecer, rogou ao Pai que, se possível, O livrasse. O Seu suor se fez em gotas de sangue. Mas, mesmo ali “amou-os até ao fim”.

Ao ser cravado na Cruz estendeu perdão aos seus executores. Ao ser blasfemado conduziu um condenado ao Paraíso. Pendurado entre o Céu e terra lembra-se dos seus. Porque “amou-os até ao fim”.

E desde a hora sexta houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona.
E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?
Mateus 27:45-46

Jesus foi desamparado para que Deus pudesse amparar-te a ti.

Jesus, o Messias improvável

16.Dezembro :: Jesus, o Messias improvável

Há um termo na gíria da língua inglesa, “Underdog”, que se refere a um competidor que toda a gente pensa será um fracasso, mas que no fim acaba por ser o vencedor. A palavra não tem boa tradução em português. Talvez um exemplo próximo seja “tomba-gigantes”, termo usado na gíria futebolística para designar uma pequena equipa, por vezes amadora, que consegue derrotar as mais fortes equipas do panorama nacional.

E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.
Portanto os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel.
E ele permanecerá, e apascentará ao povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora será engrandecido até aos fins da terra.
E este será a nossa paz.
Miquéias 5:2-5

Quando os judeus imaginavam como seria o Messias, o Salvador que havia de vir para restaurar a glória de Israel, eles viam um grande líder, importante, honrado, da linhagem real, um príncipe! No entanto, Deus preparava algo diferente.

Tal como acontecera quando o povo decidiu que queria um rei como as outras nações, a escolha do povo era muito diferente da de Deus. O povo escolheu Saul – o mais alto e espadaúdo; Deus escolheu David – o homem segundo o Seu coração. David era o underdog, o genuíno tomba-gigantes (lembram-se do Golias?). Um pequeno pastor, sem qualquer experiência política ou militar, vindo de uma pequena e simpática cidade –  Belém – sem nenhuma relevância no panorama nacional. Deus fez dele o maior rei de Israel.

Ironicamente, Deus prepara-se para repetir a história.

E, tendo nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém,
Dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo.
Mateus 2:1-2

E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi),
A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz.
E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.
Lucas 2:4-7

Jesus nasceu. Em Belém, a pequena cidade. Um plano preparado desde os tempos antigos – lembra-te de David – colocado em acção desde a eternidade. Neste lugar improvável, Deus levanta o Rei. Não havia lugar para ele, nasceu na estrebaria, mas, Ele governará Israel. Não teve conforto, foi deitado nas palhas da manjedoura, mas, Ele apascentará e consolará o Seu povo. Não teve honras, mas, Ele será engrandecido até aos fins da terra.

O Messias improvável que o próprio povo não reconheceu é o tomba-gigantes que Deus levantou. Derrotou o pecado. Derrotou a Morte. Derrotou Satanás. E, quer fazer-te mais do que vencedor com Ele.

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.
Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.
Romanos 8:37-39