A glória de Deus – parte III: Graça, Misericórdia e Juízo

Tenho três crianças pequenas em casa. A maior parte do tempo eles esforçam-se por afirmar a sua individualidade. A R., a mais pequena dos três, agora com 3 anos, anda há um ano a dizer: “Eu sou gande. Eu não sou pequenina, eu sou gande“. A sua necessidade de afirmação perante os irmãos mais velhos é tão forte que ela não tolera ser tratada como a bebé que é. Nesse esforço de afirmação pessoal as crianças estão muitas vezes na “fronteira da legalidade”. Algumas vezes descaradamente, outras com hábil subtileza, tentam ultrapassar os limites que lhes são impostos pelos pais. É neste fio de navalha que muitas vezes balança o processo educativo e formativo.

Os pais, como educadores que são, e amando os filhos com um amor incondicional, estabelecem limites e valores que sabem ser no melhor interesse das crianças. Estas, por seu lado, olham para esses limites como uma restrição intolerável à sua liberdade. Criança: “Mas, porque é que não me deixas estar? Nunca posso fazer nada“! Pai: “Porque correr em cima de um muro alto não me parece ser muito boa ideia!” A disciplina imposta pelos pais tem vários propósitos:

  1. Proteger o filho dos perigos. As crianças não são capazes de avaliar bem os perigos e consequências das suas acções. Por essa razão os pais proíbem determinados comportamentos para a sua segurança. Isto não é estragar a diversão. É uma prova de Amor.
  2. Garantir as melhores condições de desenvolvimento. Comer os vegetais, deitar cedo, tomar banho, ir à escola e fazer os TPC pode não parecer a melhor coisa do mundo, mas, um crescimento saudável só é possível quando fazemos estas coisas detestáveis. Esta também é uma prova de Amor.
  3. Preparar para o futuro. Ensinar a ser responsável, verdadeiro, bom amigo, confiável, humilde, paciente, perdoador, altruísta, compassivo, fiel exige um grande esforço educativo dos pais – por palavras e, mais importante, por exemplo. Mas, essa disciplina criará adultos equilibrados emocional e psicologicamente, capazes de amar o próximo, sábios em lidar com as frustrações e prontos a passar à geração seguinte os valores éticos e morais que receberam dos seus pais.

Deus também revela o Seu carácter e as suas intenções para nós quando nos disciplina. Quando falo de disciplina não quero significar a dimensão correctiva e/ou punitiva da acção. Disciplinar é muito mais do que isso. É ensinar e instruir. É conformar às regras – àquilo que é correcto, justo e verdadeiro. É trazer ordem ao caos.

Embed from Getty Images

 

Tal como as crianças nós nem sempre apreciamos este trabalho de Deus. Tal como os pais o Senhor planeia amorosamente o melhor para nós. As acções reflectem o carácter e o que está no coração. Por vezes, os pais perdem a paciência com a rebeldia dos filhos. Gritam. Explodem. Amesquinham. Batem violentamente. Tudo isso vem da frustração acumulada e de um carácter falho. E, Deus? Como é que Ele reage à nossa desobediência obstinada e a rebeldia arrogante dos nossos corações?

Se as acções reflectem o carácter, então, a reacção de Deus é cheia da Sua glória. Para entendermos melhor vamos considerar o texto de Isaías 1.  Não esqueças que caminhamos para a Resolução 268, a decisão que afectará mais profundamente o teu relacionamento com Deus e o teu posicionamento no Mundo. Por isso, vamos começar a familiarizar-nos com o contexto.

Deus levantou Isaías como profeta em tempos conturbados. A nação de Israel tinha-se dividido em duas após a morte de Salomão. O Reino do Norte, conhecido por Israel, composto por dez tribos. E, o Reino do Sul, conhecido por Judá, composto pelas restantes duas. Seguindo a obstinação dos seus reis ambos os reinos se desviaram do Senhor, embora o Reino de Judá experimentasse reavivamentos sucessivos por influência de alguns bons reis.

Quando Isaías começa o seu trabalho de profeta o Reino de Judá estava numa situação difícil. A inimizade entre os dois reinos irmãos colocava-os em guerra permanente, e agora, o rei Peca, do reino de Israel fez uma aliança com o rei da Síria, Rezim, para juntos destruírem a Judá. (Is.7:1) A razão deste perigo militar era maior do que a rivalidade entre eles ou a ânsia de poder da Síria. Na base de tudo estava o plano soberano de Deus para disciplinar o Seu povo.

Desde há muito tempo Deus falava ao povo. Considera o que Deus lhes dizia:

  1. Deus expôs o pecado deles (Is.1:1-15). Deus acusa-os de rebelião, falta de entendimento, iniquidade, malfeitorias, corrupção, blasfémia, apostasia e hipocrisia.
  2. Deus convida-os ao arrependimento (Is.1:16-20). Se eles se arrependerem e demonstrarem isso pelos seus actos, Deus será misericordioso e restaurará todas as promessas. A comunhão entre eles será preciosa, como se nunca houvessem pecado.
  3. Deus adverte-os sobre o julgamento (Is.1:20-2:11). Apesar de toda a misericórdia e graça disponível para eles em Deus, se não se arrependessem a única expectativa que restava era a de enfrentar o Juízo e a Ira de Deus. E que grande seria essa ira.

Em toda a reacção de Deus ao pecado do Seu povo nós vemos o resplendor da Sua glória. Ele mostra ser Santo ao não tolerar o pecado deles. Mostra ser Todo-Poderoso, Omnisciente e Omnipresente ao revelar todos os seus pecados, ainda que eles bem se esforçassem por escondê-los. Deus revela toda a Sua Paciência e Longanimidade ao reter a Sua ira e convidá-los ao arrependimento. A Sua Misericórdia, Graça e Amor são o esplendor do Perdão que lhes estende. A Sua Justiça satisfeita na Ira que destrói os inimigos, vindicando assim a sua Santidade que não pode ser beliscada. Que magnífica perfeição divina! Deus mantém-se sempre fiel a si mesmo.

Como é que conhecer a Deus desta maneira influencia o meu relacionamento com Ele e minha visão do Mundo? Duas propostas:

  1. Saber que tudo o que Deus faz na minha vida tem um propósito disciplinar para me conduzir à “estatura perfeita de Cristo” ajuda-me a aceitar a Sua vontade como “boa, perfeita e agradável”.
  2. Saber que Deus é fiel a Si mesmo em tudo o que faz leva-me a aceitar a correcção de Deus com humildade e responsabilidade.

E, tu? Que lições tiras da reflexão de hoje? Partilha nos comentários ou através do Facebook.

Anúncios

O exercício da disciplina

Lembro-me da primeira vez que tratei um dente a um paciente real. De repente, tudo aquilo que aprendemos na teoria, e, na prática em modelos de treino parece distante da realidade. Os primeiros casos tratados na faculdade são escolhidos para serem simples. Uma pequena cárie. Duas horas de tratamento! Ao pensar nisso não consigo deixar de sorrir, e, mesmo rir de mim. Hoje, faço o mesmo tratamento em pouco mais de 10min. Sem hesitar. Sem medo. Sem insegurança. O meu cérebro, as minhas mãos, os meus olhos estão agora bem treinados e avançam quase automaticamente enquanto converso ou penso em uma outra coisa. Não foi assim da primeira vez. A cada milésima de milímetro de avanço da broca, uma pausa. “Será que estou a fazer bem? Talvez seja melhor chamar o professor.”

Mesmo que nunca tenhas “atacado” o dente de alguém sabes do que eu estou a falar. Caminhar. Andar de bicicleta, de patins ou skate. Jogar à bola. Comer com faca e garfo. Ler. Escrever. Tudo quanto fazemos teve que ser aprendido. E, até que nos tornássemos excelentes em alguma coisa, submetemo-nos à disciplina.

O termo disciplina tem um significado muito amplo, variando de acordo com o contexto em que é aplicado. Pode significar o estudo de uma área do saber, como as disciplinas da escola. Pode ser o autodomínio e entrega apaixonada à perseguição de um objectivo, como os atletas que treinam intensamente e se privam de muitas coisas para alcançar o prémio. Pode ser o cumprimento das regras em vigor, que fazem funcionar um sistema, como no caso dos soldados que estão sujeitos ao código de conduta militar. Pode, numa dimensão de que não gostamos muito, significar a punição, correcção e restauração ao bom caminho quando fazemos asneiras.

Seja como for que olhemos para a disciplina todas as suas facetas se conjugam para produzir a excelência. Quando iniciamos uma aprendizagem fazemo-lo apaixonadamente. A novidade de tudo, o aprender algo novo é motivação suficiente para nos empenharmos. Mas, o entusiasmo inicial rapidamente esmorece, e logo, é necessário submeter a nossa vontade natural ao valor maior de aprender. Mais tarde, entendemos que não podemos escapar dessa regra, da norma, do modo certo de fazer as coisas. Aprendemos essa lição, por vezes, da maneira mais difícil, pela disciplina correctiva. Mas, quando a disciplina acaba o seu trabalho estamos melhores, mais fortes, mais capazes.

Na nossa busca pela intimidade com Deus a disciplina é um processo fundamental. A solitude, a meditação na Palavra, a oração, são coisas estranhas a nós. Antes de recebermos a Graça de Deus eram até mesmo impossíveis à nossa natureza caída. (Rm.3:10-12) Mas, em Cristo somos novas criaturas. (2Cor.5:17) Recebemos e participamos de uma nova natureza que tem fome e sede de Deus. (Sl.143:6) No entanto, precisamos aprender a buscá-lO.

Até que alguma coisa se torne um hábito é necessário repeti-la muitas vezes. Até que se torne tão natural como respirar, é necessário que o hábito se mantenha por muito tempo. Até que se torne fundamental, é necessário que não te desvies dela.

A prática da intimidade com Deus exige disciplina. Sem disciplina o teu destino é o descrito nas Sagradas Escrituras:

“Ele morrerá, porque desavisadamente andou, e pelo excesso da sua loucura se perderá.” Provérbios 5:23

Quero apontar algumas estratégias para te ajudar a ser disciplinado na prática da intimidade com Deus:

  1. Compromete-te. Firma um compromisso sério diante de Deus de tirar um tempo diário para estar a sós com Ele. Leva isso a sério. Não encares o tempo com Deus como a tarefa diária que podes eliminar se precisares de fazer alguma coisa. Olha para esse tempo como o único no teu dia inteiro em que não podes falhar. Constrói o resto do teu horário em torno disso e não ao contrário, tentando encaixar Deus no teu horário apertado. O tempo com Deus é muito mais importante do que qualquer outra coisa que tenhas para fazer. A força do teu compromisso definirá a intensidade da tua intimidade.
  2. Sê específico. Arranja um tempo certo para estar com Deus. Se mudares isso todos os dias, conforme a tua disponibilidade, é meio caminho para desistires. O atleta não vai treinar quando lhe apetece, quando se sente bem, ou, quando tem tempo. O seu horário está pré-estabelecido e ele não pode falhar. Se definires no teu horário o tempo para estar com Deus, mais facilmente vais estar disponível a essa hora. (Dn.6:1-11)
  3. Sê realista. Penso que um dos nossos problemas é sermos demasiado utópicos sobre este assunto. Queres parecer tão fiel que guardas logo 3 horas para estar com Deus todos os dias! Se tens possibilidades reais de tirar esse tempo, ou até mais, vai em frente! Mas, se sabes à partida que isso não vai ser possível estás a cavar o teu próprio fracasso. Se gostas de dormir até tarde não marques esse tempo às 6h da manhã. Nem à meia-noite quando já estás estourado e vais adormecer a orar. É melhor tirar 15 min. que cumpres diariamente em exclusividade com Deus do que 1 hora que não passa do papel.
  4. Presta contas. Paulo Freire, educador e filósofo brasileiro, disse que “Ninguém se disciplina sozinho. Os homens disciplinam-se em comunhão”. Junta-te a um grupo de irmãos na fé perante os quais tenhas de prestar contas. Escolhe de preferência pelo menos um irmão mais maduro e experiente para te orientar. Isso pode fazer a diferença entre desistir ou persistir.

O exercício da disciplina conduzir-te-á à maturidade. O que no começo pode ser uma difícil submissão da tua vontade a Deus, cedo se transformará no maior anseio e necessidade da tua alma. Ainda mais do que respirar. Deus será tudo para ti.

___________________________________________

Para mais sobre a prática da intimidade com Deus, clique aqui.

 

Solitude, não solidão.

O grande vício do séc. XXI é estar permanentemente ligado. Networking, redes sociais, perfil social, são os conceitos fundamentais da aldeia global em que o mundo se tornou. Não imaginamos a nossa existência sem telemóvel. Se nos esquecemos dele ou ficamos sem bateria entramos em stress. Quando nos sentamos frente ao computador a primeira coisa que fazemos é ligar à internet para saber das novidades. Estamos constantemente a actualizar as páginas das redes sociais à espera de um novo contacto. Visitamos a caixa de correio electrónico vezes sem fim. Mas, isso não chega, hoje, o mundo é mobile, como nos assegura a publicidade, e, por isso tens de estar sempre ligado, em todo o lado.

Estar fora da rede é mal visto. És tomado por anti-social e esquisito. Como se não houvesse mundo fora da rede. Curiosamente, nunca nos sentimos tão sós como agora. Acumulamos centenas de amigos nas redes sociais mas, não temos um com quem possamos falar abertamente face-a-face. Não há tempo para conversas profundas porque o mundo muda a cada segundo. Há sempre novidades. Sempre mudança. Muitos estímulos. Nunca tempo para a intimidade.

Já não sabemos estar sós. Sentimo-nos mal. Ansiosos. Inquietos. Vazios. Insatisfeitos. No mundo de hoje já só temos solidão, não solitude. A solitude é a arte de saber estar só. A solidão é um estado negativo marcado pelo isolamento e sofrimento interior por não haver contacto com o outro. Podes sentir-te só mesmo no meio de uma multidão. Porque não te encaixas ou não te sentes pertencer àquele grupo. A solitude é um estado deliberado de isolamento, de privacidade. Não há medo de estar sozinho.

Os gurus modernos da auto-ajuda ensinam uma solitude que busca a criatividade, paz interior, bem-estar, contacto com o eu-interior, fortalecimento espiritual com base num esvaziamento da mente e foco no potencial humano. Esse ensino é profundamente diabólico. A Bíblia embora ensine a solitude nunca propõe o esvaziamento da mente. Pelo contrário. Nem coloca o potencial humano como foco principal. Pelo contrário. Deus é o foco. A solitude é o tempo a sós-com-Deus. A busca da Sua presença. O enchimento com a Sua palavra.

Muitos são os exemplos, nas Escrituras, de homens que se recolhiam para encontrar-se com Deus. Jesus, o Filho de Deus, é talvez o maior desses exemplos. Muitas vezes lemos nos Evangelhos que Jesus se retirava para um lugar à parte, normalmente o monte, para a solitude com Deus. O que Ele fazia durante esse tempo? Orava. Tinha comunhão com o Pai. Exercitava-se nas Escrituras. (Mt.4:1-11) Sem distrações. Sem ruído. Sem cronómetro. Esse era o segredo do poder do seu ministério. A Sua vontade estava sempre sintonizada com a vontade do Pai, porque entre os dois havia intimidade. Uma intimidade construída na solitude.

Desculpamo-nos com a falta de tempo. Temos sempre tanta coisa a fazer. Tantas solicitações. E, Jesus? Não era Ele constantemente solicitado por multidões. Não estava Ele completamente envolvido na missão de preparar os discípulos? No entanto, encontramo-Lo muitas vezes a sair do meio da multidão para um lugar à parte. Não penses que até mesmo o teu serviço para Deus substitui o tempo de comunhão intima com Ele. Não é porque estás envolvido no serviço a Deus que és íntimo de Deus. Lembra-te de Marta que descobriu que há uma parte ainda melhor que o serviço, que deve vir antes do serviço, a íntima comunhão com o Senhor. (Lc.10:38-42)

Eis alguns conselhos para promoveres um tempo de solitude com Deus:

  1. Desliga-te. Para buscares a intimidade com Deus precisas cortar com a rede que constantemente te mantém ocupado. Desliga o computador. A música. A televisão. Deixa para trás o telemóvel. Tudo o que possa distrair-te enquanto estás com Deus. Esse tempo é para ser passado com Deus. E, só com Deus. (Mt.14:23)
  2. Isola-te. Podes fazer isto onde quiseres, mas, procura um lugar onde não possas ser facilmente interrompido. Se estiveres em casa, fecha a porta do teu quarto e pede à tua família para não te incomodar até que saias. (Mt.6:6)
  3. Foca-te. Este não é um tempo para “pensar na morte da bezerra”. Não é para descansar o cérebro. A tua mente tão habituada a ser estimulada vai procurar qualquer coisa com que se ocupar. Preocupações. Planos. Sonhos. Concentra-te no que te trouxe ali – Deus. Pensa em Deus. No Seu Amor por ti. No bem que te tem feito. Nas Sua promessas. Nos seus mandamentos. Para isso, lê a Bíblia, e medita no que lês. Reflete naquilo que Deus está a revelar-te através da Sua Palavra. (1Tm.4:15)
  4. Entrega-te. Fala com Deus. Ora. Abre-Lhe o teu coração. Sem medo e sem reservas. Não há palavras certas. Deus quer sinceridade. Ao coração humilde Deus não rejeitará. (Tg.4:6; Sl.51:17; Sl.37:5)
  5.  Deleita-te. A intimidade com Deus é uma coisa preciosa. Não a desprezes. Não a olhes como se fosse um fardo ou um espartilho que te impede de ser feliz. Põe o teu prazer em Deus. (Sl.37:4)Deixa-O satisfazer a tua alma. Louva-O. Adora-O. (Sl.43:4) Mergulha na vida abundante que Jesus te deu. (Jo.10:10)

__________________________________________________________

Para mais sobre a prática da intimidade com Deus, clique aqui.

A prática da intimidade com Deus – 8 bases bíblicas

Hoje reli uma reflexão que coloquei aqui há quase dois anos atrás. “Onde estás?” fala da busca de Deus por nós. Mas, a intimidade de Deus também é o desejo de todos os Seus filhos. Embora essa experiência seja sobretudo um processo espiritual, logo, não palpável, a Bíblia aponta várias estratégias que devemos empregar no nosso dia-a-dia para perseguir a comunhão vital com o Senhor. Eis algumas delas:

  1. Fica a sós com Deus. A intimidade nunca será possível sem comunhão. Sei bem que as vidas agitadas que temos não nos deixam muito tempo livre – embora isso seja quase sempre mais uma desculpa. Jesus é o nosso maior exemplo nisto. Mesmo quando rodeado por multidões que solicitavam eufóricas a sua atenção, ele muitas vezes se retirava para o monte para estar só. (Jo.6:1-15) Só com o Pai. (ler mais…)
  2. Sê disciplinado. Nenhum atleta desleixado será vencedor. Os vencedores são disciplinados. Toma o exemplo de Daniel, que sendo superintendente do maior reino dos seus dias, tirava 3 momentos para orar ao Senhor. (Dn.6:1-11) Ele era um homem ocupado, e muito pressionado, mas, era disciplinado na sua busca por Deus. (ler mais…)
  3. Aprofunda-te na Palavra. Não podes ter intimidade com alguém que não conheces. Para conheceres Deus tens de buscá-lO na Sua Palavra. Não te satisfaças com o que ouves na pregação dominical. Em casa, abre a tua Bíblia e medita no que Deus tem para te dizer. (Sl.1:1-2) (ler mais…)
  4. Integra Deus no teu dia-a-dia. Deus não existe só ao Domingo, ou só está na casa de oração. Ele está contigo por onde quer que andares. Aprende com o exemplo de Neemias, e integra Deus no teu dia-a-dia, e nas tuas decisões. (Ne.2:4) Vive como se Ele estivesse presente, porque está mesmo. (ler mais…)
  5. Junta-te aos santos. As más companhias corrompem os bons costumes. (1Cor.15:33) Mas, como o ferro aguça o ferro, os homens aperfeiçoam-se no confronto com os outros. (Pv.27:17) Junta-te a irmãos na fé mais experientes e que te ajudem no crescimento. Aprende com eles.
  6. Sê honesto/sincero. Não tenhas medo de te expôr perante Deus. Ele já sabe tudo a teu respeito. Não há fórmulas, nem palavras certas. O teu coração sincero e contrito é tudo o que Deus quer. Expõe-Lhe os teus medos, angústias, lutas, fracassos. Ele cuidará de ti. (Fl.4:6-7)
  7. Sê grato. Não uses Deus apenas como uma forma de resolver os teus problemas. Dá-lhe a honra e o louvor que Ele merece por todo o bem que te tem feito. Sê grato. Perante Deus, mas, também perante a Igreja e os Homens. (Is.12:4) Para que todos saibam que o teu prazer está em Deus e que o bem que há em ti tem n’Ele a fonte.
  8. Sê obediente. O pecado é o mais poderoso impedimento da comunhão com Deus. Por isso, busca arrependimento, confessa e deixa que Deus te restaure. Depois, vai e não peques mais. Medita na vontade do Senhor e procura obedecê-la em tudo. (Tg.1:22-25) A obediência é o contrário do pecado. A santidade é a sua consequência. A intimidade com Deus a sua recompensa.

Qual a tua experiência na busca da intimidade com Deus?

Mantém-te ligado nos próximos dias enquanto exploramos cada um destes passos.

Natureza e aprendizagem :: Devocional

28.Abr :: Provérbios 22:15

Discernimento e bom senso, eis duas qualidades que nem sempre são fáceis de encontrar. A razão para isso é que o seu contrário, a estultícia, está profundamente enraízada ao coração do Homem. Não é uma questão de aprendizagem, mas sim de natureza. Não precisamos aprender a ser maus, egoístas, precipitados ou  imprudentes. A raíz de pecado que há em nós encarrega-se disso desde a nossa meninice.

Não foi assim que Deus nos criou. A “imagem e semelhança” que Deus imprimiu no Homem no acto criativo colocava-nos num patamar superior. Justiça. Santidade. Sabedoria. E,  livre arbítrio, para escolhermos fazer o bem. Que tragédia termos escolhido a pior parte! O pecado contaminou o nosso coração e com ele todas as nossas intenções, vontades e acções. Partimos agora não de uma posição de santidade a ser defendida, mas de uma santidade a ser alcançada. E, só a acção redentora e regeneradora de Cristo poderá fazer-nos atingi-la. Ainda que muitas vezes tenha de ser por meio da disciplina e correcção.

  1. Se o pecado é a nossa tendência natural que esperança há para nós? Como poderemos vencer sobre ele?
  2. Como reconheces a “imagem e semelhança de Deus” na tua vida?
  3. Que atitude Deus espera de ti quando te disciplina? Reflecte sobre como tens reagido a esses momentos.