A glória de Deus – parte III: Graça, Misericórdia e Juízo

Tenho três crianças pequenas em casa. A maior parte do tempo eles esforçam-se por afirmar a sua individualidade. A R., a mais pequena dos três, agora com 3 anos, anda há um ano a dizer: “Eu sou gande. Eu não sou pequenina, eu sou gande“. A sua necessidade de afirmação perante os irmãos mais velhos é tão forte que ela não tolera ser tratada como a bebé que é. Nesse esforço de afirmação pessoal as crianças estão muitas vezes na “fronteira da legalidade”. Algumas vezes descaradamente, outras com hábil subtileza, tentam ultrapassar os limites que lhes são impostos pelos pais. É neste fio de navalha que muitas vezes balança o processo educativo e formativo.

Os pais, como educadores que são, e amando os filhos com um amor incondicional, estabelecem limites e valores que sabem ser no melhor interesse das crianças. Estas, por seu lado, olham para esses limites como uma restrição intolerável à sua liberdade. Criança: “Mas, porque é que não me deixas estar? Nunca posso fazer nada“! Pai: “Porque correr em cima de um muro alto não me parece ser muito boa ideia!” A disciplina imposta pelos pais tem vários propósitos:

  1. Proteger o filho dos perigos. As crianças não são capazes de avaliar bem os perigos e consequências das suas acções. Por essa razão os pais proíbem determinados comportamentos para a sua segurança. Isto não é estragar a diversão. É uma prova de Amor.
  2. Garantir as melhores condições de desenvolvimento. Comer os vegetais, deitar cedo, tomar banho, ir à escola e fazer os TPC pode não parecer a melhor coisa do mundo, mas, um crescimento saudável só é possível quando fazemos estas coisas detestáveis. Esta também é uma prova de Amor.
  3. Preparar para o futuro. Ensinar a ser responsável, verdadeiro, bom amigo, confiável, humilde, paciente, perdoador, altruísta, compassivo, fiel exige um grande esforço educativo dos pais – por palavras e, mais importante, por exemplo. Mas, essa disciplina criará adultos equilibrados emocional e psicologicamente, capazes de amar o próximo, sábios em lidar com as frustrações e prontos a passar à geração seguinte os valores éticos e morais que receberam dos seus pais.

Deus também revela o Seu carácter e as suas intenções para nós quando nos disciplina. Quando falo de disciplina não quero significar a dimensão correctiva e/ou punitiva da acção. Disciplinar é muito mais do que isso. É ensinar e instruir. É conformar às regras – àquilo que é correcto, justo e verdadeiro. É trazer ordem ao caos.

 

Tal como as crianças nós nem sempre apreciamos este trabalho de Deus. Tal como os pais o Senhor planeia amorosamente o melhor para nós. As acções reflectem o carácter e o que está no coração. Por vezes, os pais perdem a paciência com a rebeldia dos filhos. Gritam. Explodem. Amesquinham. Batem violentamente. Tudo isso vem da frustração acumulada e de um carácter falho. E, Deus? Como é que Ele reage à nossa desobediência obstinada e a rebeldia arrogante dos nossos corações?

Se as acções reflectem o carácter, então, a reacção de Deus é cheia da Sua glória. Para entendermos melhor vamos considerar o texto de Isaías 1.  Não esqueças que caminhamos para a Resolução 268, a decisão que afectará mais profundamente o teu relacionamento com Deus e o teu posicionamento no Mundo. Por isso, vamos começar a familiarizar-nos com o contexto.

Deus levantou Isaías como profeta em tempos conturbados. A nação de Israel tinha-se dividido em duas após a morte de Salomão. O Reino do Norte, conhecido por Israel, composto por dez tribos. E, o Reino do Sul, conhecido por Judá, composto pelas restantes duas. Seguindo a obstinação dos seus reis ambos os reinos se desviaram do Senhor, embora o Reino de Judá experimentasse reavivamentos sucessivos por influência de alguns bons reis.

Quando Isaías começa o seu trabalho de profeta o Reino de Judá estava numa situação difícil. A inimizade entre os dois reinos irmãos colocava-os em guerra permanente, e agora, o rei Peca, do reino de Israel fez uma aliança com o rei da Síria, Rezim, para juntos destruírem a Judá. (Is.7:1) A razão deste perigo militar era maior do que a rivalidade entre eles ou a ânsia de poder da Síria. Na base de tudo estava o plano soberano de Deus para disciplinar o Seu povo.

Desde há muito tempo Deus falava ao povo. Considera o que Deus lhes dizia:

  1. Deus expôs o pecado deles (Is.1:1-15). Deus acusa-os de rebelião, falta de entendimento, iniquidade, malfeitorias, corrupção, blasfémia, apostasia e hipocrisia.
  2. Deus convida-os ao arrependimento (Is.1:16-20). Se eles se arrependerem e demonstrarem isso pelos seus actos, Deus será misericordioso e restaurará todas as promessas. A comunhão entre eles será preciosa, como se nunca houvessem pecado.
  3. Deus adverte-os sobre o julgamento (Is.1:20-2:11). Apesar de toda a misericórdia e graça disponível para eles em Deus, se não se arrependessem a única expectativa que restava era a de enfrentar o Juízo e a Ira de Deus. E que grande seria essa ira.

Em toda a reacção de Deus ao pecado do Seu povo nós vemos o resplendor da Sua glória. Ele mostra ser Santo ao não tolerar o pecado deles. Mostra ser Todo-Poderoso, Omnisciente e Omnipresente ao revelar todos os seus pecados, ainda que eles bem se esforçassem por escondê-los. Deus revela toda a Sua Paciência e Longanimidade ao reter a Sua ira e convidá-los ao arrependimento. A Sua Misericórdia, Graça e Amor são o esplendor do Perdão que lhes estende. A Sua Justiça satisfeita na Ira que destrói os inimigos, vindicando assim a sua Santidade que não pode ser beliscada. Que magnífica perfeição divina! Deus mantém-se sempre fiel a si mesmo.

Como é que conhecer a Deus desta maneira influencia o meu relacionamento com Ele e minha visão do Mundo? Duas propostas:

  1. Saber que tudo o que Deus faz na minha vida tem um propósito disciplinar para me conduzir à “estatura perfeita de Cristo” ajuda-me a aceitar a Sua vontade como “boa, perfeita e agradável”.
  2. Saber que Deus é fiel a Si mesmo em tudo o que faz leva-me a aceitar a correcção de Deus com humildade e responsabilidade.

E, tu? Que lições tiras da reflexão de hoje? Partilha nos comentários ou através do Facebook.

Anúncios

Partilha os teus pensamentos:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s