Jesus, o rejeitado dos Homens :: Devocional

14.Dezembro :: Jesus, o rejeitado dos Homens

É incrível como uma notícia pode ser recebida de modo tão diferente pelas pessoas. A vitória de um partido nas eleições é celebrada pelos seus apoiantes e desprezada pelos opositores. Uma promoção no emprego é alegria para uma família e inveja para os competidores. O modo como nos posicionamos perante as circunstâncias determina as reacções que elas nos provocam.

A chegada de Jesus, o Messias há tanto tempo prometido, era uma boa notícia.

“E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo:
Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.”
(Lucas 2:10-11)

Mas, a novidade não foi motivo de alegria para todos. Os líderes religiosos, os judeus mais fervorosos e fanáticos, que deveriam reconhecê-lo imediatamente pelo cumprimento das profecias, não O aceitaram. Os líderes políticos, como Herodes, viram nEle uma ameaça ao seu poder sobre o povo. E, desde logo, moveram contra Ele intensa perseguição.

Uma das profecias mais negras acerca da vinda do Messias veio pela voz do profeta Jeremias, avisando que antes que viesse o consolo, a libertação e a restauração, haveria choro e lamentação.

“Assim diz o SENHOR: Uma voz se ouviu em Ramá, lamentação, choro amargo; Raquel chora seus filhos; não quer ser consolada quanto a seus filhos, porque já não existem.
Assim diz o SENHOR: Reprime a tua voz de choro, e as lágrimas de teus olhos; porque há galardão para o teu trabalho, diz o SENHOR, pois eles voltarão da terra do inimigo.
há esperança quanto ao teu futuro, diz o SENHOR, porque teus filhos voltarão para os seus termos.”
(Jeremias 31:15-17)

O aviso de Deus cumpriu-se de modo terrível aquando do nascimento de Jesus Cristo.

“Depois que partiram, um anjo do Senhor apareceu a José em sonho e disse-lhe: “Levanta-te, toma o menino e sua mãe, e foge para o Egito. Fica lá até que eu te diga, pois Herodes vai procurar o menino para matá-lo“.
Então ele se levantou, tomou o menino e sua mãe durante a noite, e partiu para o Egito,
onde ficou até a morte de Herodes. E assim se cumpriu o que o Senhor tinha dito pelo profeta: “Do Egito chamei o meu filho”.
Quando Herodes percebeu que havia sido enganado pelos magos, ficou furioso e ordenou que matassem todos os meninos de dois anos para baixo, em Belém e nas proximidades, de acordo com a informação que havia obtido dos magos.
Então se cumpriu o que fora dito pelo profeta Jeremias:
“Ouviu-se uma voz em Ramá, choro e grande lamentação; é Raquel que chora por seus filhos e recusa ser consolada, porque já não existem”.”
(Mateus 2:13-18)

Miraculosamente Deus protegeu a José, Maria e Jesus. Não é o Homem que impedirá os planos de Deus. A rejeição de uns não será o prejuízo de todos. Ainda que muitos, pelo seu amor ao mundo, ao dinheiro, ao pecado, rejeitem o Salvador, outros, humildemente O recebem com alegria. O maior impedimento que Deus encontra para salvar o Homem é o coração obstinado do próprio Homem. Essa é a barreira que tu mesmo precisas ultrapassar. Não rejeites a Cristo.

Jesus, o Filho de Deus :: Devocional

1.Dezembro: Jesus, o Filho de Deus.

O Salmo 2 fala de um mundo em convulsão contra Deus. O Homem prefere ser dono do seu destino, ainda que ruinoso, do que submeter-se à vontade do Criador. Hoje assistimos a um cenário muito semelhante ao descrito no texto bíblico, redigido há quase 3000 anos atrás. Uma guerra constante contra a pessoa de Jesus Cristo, movida através de livros, comentários, filmes, documentários, todos revestidos de uma aparente credibilidade científica e histórica. No meio de toda a confusão Deus declara que o Messias prometido seria mais do que um grande homem, pensador, mestre ou profeta. Ele diz:

“Tu és meu Filho, hoje te gerei.” (Salmo 2:7)

O grande mistério da Encarnação de Deus foi desvendado aquando do nascimento de Jesus.

“Eis que conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus.
Este será grande e será chamado filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi seu pai; e reinará eternamente sobre a casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.

Então Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, uma vez que não conheço varão?

Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho de Deus.” (Lucas 1:31-35)

A promessa de Deus foi cumprida em Jesus Cristo. Ele é o Messias esperado. Que prova tão grande do Amor de Deus por ti! Ele, na pessoa do Seu Filho, Jesus Cristo, veio ao teu encontro!

O Olhar do Pai

“Orando pela chuva que sara
Para restaurar a minha alma.

Sou um farrapo em fuga.
Como cheguei aqui?
O que é que eu fiz?
Quando é que a minha esperança se vai erguer?
Como vou conhecê-lo?
Quando olho nos olhos do meu pai.”

(Eric Clapton, My father´s eyes, 1998)

Eric Clapton escreveu esta música inspirado no pai que nunca conheceu. Apesar dessa distância entre eles, transparece nas palavras do poema um anseio por comunhão que nunca poderá existir. Uma esperança de que no olhar do pai se encontra as respostas que buscamos.

Hoje, a R. adormeceu a olhar para mim. Estávamos na rua, e ela no seu carrinho de passeio. Os seus olhos estavam pesados de sono, mas ela resistia. Talvez a agitação em volta não ajudasse. Alguns minutos depois, o meu olhar cruzou-se com o dela. Ela fitava-me. Demorou-se um segundo e fechou os olhos, dormindo. Senti como se ela esperasse por aquele último olhar do pai, para lhe dar a confiança e segurança, para depois dormir. Sorri, enternecido. E, no meu coração, alegrei-me por reconhecer na simplicidade deste episódio o amor que ela tem por mim.

Lembrei-me da música de Clapton, e de um texto das Escrituras ainda mais relevante:

“Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele.”
2 Crónicas 16:9

Deus procura-nos com os seus olhos para nos dar a segurança, confiança, descanso e a força que necessitamos. Será que o Seu olhar encontrará o teu?

Deus e os quebrantados

“O espírito do homem susterá a sua enfermidade, mas ao espírito abatido, quem o suportará?” Provérbios 18:14

Estar perto de alguém quebrantado não é fácil. A dor que lemos no rosto e nos gemidos do outro faz-nos sentir desconfortáveis. E, a impotência para mudarmos a sua situação faz-nos sentir um pouco sem jeito, sem saber o que fazer ou dizer.

O quebrantamento – nosso ou dos outros – confronta-nos com a nossa fragilidade. Somos quebrados, amachucados, abatidos até ao chão, e não podemos resistir. Somos vencidos, domados na nossa fúria e raiva que nos cega. Somos enfraquecidos, drenados de vigor, de energia, de entusiasmo. Somos prostrados.

Por vezes, é simplesmente a vida que nos machuca. Outras, as palavras de um amigo. Ou, um olhar interior que revela que ainda não somos que queremos ser.

Esses tempos difíceis podem ter um propósito:

“Os tempos difíceis são uma lente de aumento que nos mostra quanto precisamos dEle. É quando podemos sentir mais a presença de Deus. Lembra-te: Ele está perto do coração quebrantado, por isso não isto não deve ser uma surpresa.” – Josh Wilson, a propósito da sua música “Fall Apart“.

Deixa que Deus te sustente o coração quebrantado. Deixa que Ele te levante. Restaure. Molde. Para Sua Glória.

“(…) a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.” Salmos 51:17

“Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito.” Salmos 34:18

Crês tu isto?

A fé é uma coisa difícil de concretizar. Sendo, por definição, a crença firme em coisas que não se vêem (Hb.11:1), torna-se uma experiência íntima e pessoal, real apenas para quem a tem. Apesar disso, as suas evidências são indisfarçáveis. No modelar de comportamentos, ideias, ideais, intenções, motivações e anseios. Essas evidências mostram-se tanto mais quanto mais provada for. Tal como o ouro, ou a prata, que brilham mais quando o fogo é mais forte (1Pd.1:7). Não tenhas, por isso, medo da prova. Ela é oportunidade de crescimento e benção! (Rm.5:1-5)

Nos momentos de aperto e contrariedade é difícil manter o ânimo e confiar. Perguntas: “Porquê?” Os últimos meses têm sido de deserto. Uma jornada árdua sem vislumbre de fim. Ao longo deste tempo fui assaltado algumas vezes pela mesma inquietação. Deus, por seu lado, tem mantido o meu ânimo (Js.1:9)! Glória a Ele!

Crês tu isto?” – Hoje esta questão não me tem saído da cabeça (nem do coração). Jesus dirigiu esta questão a uma pessoa especial, Marta, irmã de Maria e Lázaro, amigos íntimos dele. O contexto era difícil, doloroso e catastrófico: Lázaro morrera, e Jesus nada tinha feito para o impedir. (Jo.11) Eis o que aprendi com este encontro:

  1. Marta estava magoada, e não se coibiu de o demonstrar a Jesus (vs.21). O nosso relacionamento com Deus deve ser transparente. Ele não se incomoda em ouvir as tuas aflições ou ansiedades. Deixa o teu fardo aos pés de Jesus, e encontrarás descanso.
  2. Ele, cheio de graça, consolou-a com as promessas de Deus (vs.23) . A nossa consolação está, e sempre estará em Deus. As Suas promessas, a Sua Palavra são a nossa provisão. Como se costuma dizer, não olhes para o tamanho dos teus problemas, olha para o tamanho do teu Deus!
  3. Marta responde como que a dizer: “Sim, sim, eu sei de tudo isso, mas, a minha situação continua a mesma!” (vs.24). Cometemos muitas vezes este erro, o de aligeirar a fé, de aceitar as promessas de Deus apenas em teoria mas sem eficácia prática no nosso dia-a-dia. Poderemos chamar a isso de fé? A verdadeira fé transporta-te ao gozo presente das promessas divinas, independentemente das circunstâncias.
  4. Jesus leva Marta a reflectir melhor na realidade para além do que os olhos vêem (vs.25,26). A realidade que a fé alcança e vislumbra da parte de Deus. E, por fim, remata: “Crês tu isto?” Esta pergunta de Jesus é como: “Que fé é a tua? Acreditas mesmo naquilo de que falas? Quem sou Eu na realidade da tua vida?”

É na travessia dos desertos da vida que a realidade da tua fé vem ao de cima e se revela perante todos. Se só és capaz de ser crente ao domingo, quando tudo vai bem, mas fraquejas quando tens de pagar o preço, que valor tem a tua fé? A promessa de Deus para nós é que mesmo no meio da prova somos mais do que vencedores em Cristo! (Rm.8:35-39) Aleluia! Comporta-te como um vencedor. Age com confiança. Espera pacientemente. E, louva a Deus pela Sua provisão. E o bom cheiro de Cristo fluirá da tua vida para benção de todos quantos te rodeiam.

A história de Marta mudou. E, foi Jesus que operou essa mudança. Lázaro ressuscitou! Do deserto brotaram águas, e o oásis chegou. Chegará também para ti.

Crês tu isto?