Amor fraternal

Amor fraternal

Purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro. (1 Pedro 1:22)

Hoje, as meninas foram buscar o J. à escola. Enquanto aguardavam do lado de fora dos portões, a sua impaciência crescia. Olhavam para todos os lados tentando encontrar o irmão. Foram elas as primeiras a vê-lo e a gritar o seu nome!

Os olhos do J. brilharam com a surpresa. Correu. Lançou-se num abraço. Como se não se vissem há anos! E, seguiram o caminho de mãos dadas, conversando e partilhando o coração.

Sou grato a Deus pelo privilégio de fazer parte desta teia de afectos. Enquanto os observava, apercebi-me que estava perante uma parábola de como viver a Igreja. Na Palavra, aprendemos que somos corpo de Cristo, edifício de Deus e, família de Deus. Cada uma destas imagens ajuda-nos a entender o modo como devemos relacionar-nos com Deus e com os outros crentes.

Deus, em Cristo, é sempre a Cabeça, o Alicerce, o Pai de todos. Mas, nós, os seus santos, estamos em igualdade, dependência e comunhão uns com os outros. É preciosa a maneira como, em Cristo, podemos considerar-nos uns aos outros: irmãos.

Os irmãos têm as suas diferenças. As suas zangas. Conflitos de opinião. Vontades divergentes. Emoções exageradas. Mas, o vínculo que os une não pode ser quebrado. Em face de tais dificuldades, somente quando entregues à direcção do Espírito Santo, e comprometidos à obediência à Palavra da Verdade, florescerão em Amor puro e não fingido uns para com os outros.

O Amor é coisa difícil. Tem menos a ver com as emoções do que com a escolha e o compromisso com o outro que se assume continuamente. O poder para fazer tal escolha vem de Deus, a fonte de todo o Amor. Quanto mais amares a Deus, mais amarás o teu irmão. Onde falta amor para com o irmão, faltou primeiro amor ao Senhor.

A minha vida sem TV

Desde que mudámos de casa, há quase 2 meses, que estamos sem TV.

A casa para onde mudámos tinha a antena avariada. Arranjou-se. Depois, descobrimos que a rede dentro de casa também não estava boa. Arranjou-se. Por último, verificámos que o sinal TDT não é dos melhores, e não permite uma boa recepção. Não arranjámos.

Fomos adiando a resolução e hoje, passados 2 meses, já nem sinto falta dela. Confesso que até estou a gostar da experiência. A TV pode ser uma forte distracção.

Mais tempo para brincar

As crianças passam muito mais tempo a brincar, a imaginar e a fazer-de-conta. Nós, é claro, também entramos nesse mundo fantástico. Temos melhor controlo sobre o que vêm, porque agora estão limitados aos DVD, e, definitivamente protegidos de todos os desenhos animados cheios de monstros, monstrinhos, feitiços e poderes ocultos que, infelizmente, hoje em dia, são o entretém das crianças. O que é feito do Rato Mickey, da Pantera Cor-de-Rosa e do Tom Saywer?

Mais tempo para crescer em família

Muito do nosso tempo é passado juntos. Isso é mais exigente para nós, pais. Às vezes bem que nos apetece que eles fiquem sossegados (leia-se, hipnotizados) em frente ao ecrã, para termos um momento de tranquilidade e silêncio. Mas, ao estarmos juntos, partilhando o espaço e muitas vezes as actividades, temos melhores oportunidades para ensinar coisas novas. As tensões surgem mais facilmente, mas, elas são uma oportunidade para ensinar sobre o amor, graça, misericórdia, perdão, reconciliação, entreajuda, obediência, etc.

Mais tempo para conversar

Sou pouco falador. Já os meus três filhos nasceram com a língua em modo turbo! 🙂 Eles falam incessantemente. Temos as conversas mais maravilhosas e surpreendentes. Falamos sobre tudo. Gosto muito de conversar com a S.. O silêncio aberto pelo ecrã negro abre espaço para derramarmos a alma perante  outro.

Mais tempo para…

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.
Filipenses 4:8

Proponho um desafio:

semTV

  1. Não deixes que a TV determine a tua dinâmica familiar.
  2. Estabelece um tempo para a TV estar ligada (não vale escolher o dia todo 🙂 ).
  3. Dedica o tempo em off mode a ser feliz!

______________________

P.S. Acho que vou interromper o meu jejum televisivo! Li algures que vai estrear um novo programa culinário – “Chef’s Academy”. Não sei se consigo resistir! 😉

Ser Pai

Das três vezes que soube que ia ser pai o meu pensamento e oração foram: “Ó Deus, dá-me Graça!”. Quando penso na paternidade vejo mais além do que o amor embevecido, ou o orgulho pelos feitos trapalhões dos filhos pequenos, ou da preocupação pelo seu futuro e bem-estar. Há um texto que tem sido o meu mote desde que sou pai:

“Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.” (Dt.6:4-7)

A primeira coisa que me chama a atenção é que a minha responsabilidade como Homem é buscar a Deus, e aceitar a Sua soberania sobre a minha vida. Viver isto é amá-lO de todo o coração, ou seja, com o meu entendimento, consciência e determinação. Amá-lO de toda a alma, com todo o meu ser, minha personalidade, desejo, emoções e paixão. Amá-lO com todas as forças, até ao limite da minha capacidade, abundantemente.

A minha segunda responsabilidade nasce na família, e na paternidade. A ideia por detrás de ensinar pressupõe muito mais do que um simples convívio familiar, brincadeiras com os filhos, ensinar a orar pelos alimentos e levar os filhos à Escola Dominical. É um ensino incisivo, perfurante, que aguça o outro. Como se tatuasse no coração dos filhos a vivência que tenho com Deus.

Essa vivência deve permear as minhas conversas, os avisos, a disciplina, os comandos e o meu louvor. A minha casa deve ser construída como um lar. Para isso, é necessário que eu saiba ficar e permanecer. Estar disponível para a esposa e os filhos, trazendo a estabilidade que todos precisam.

Mas, o exemplo deve sair de portas. O meu carácter moral deve manifestar-se em todo o lugar. No emprego. Com os amigos. Na estrada. Na igreja. Até mesmo quando descanso. O meu tempo de lazer deve trazer glória a Cristo. E, quando necessário, devo erguer-me para defender as minhas convicções e fé. É no momento da prova que o carácter se confirma.

Perante tal exemplo chegará o dia em que o filho se voltará para o pai e perguntará: “Que significam os testemunhos, e estatutos e juízos que o SENHOR nosso Deus vos ordenou?” (vs. 20) Ser pai é assumir a benção de edificar uma vida. O maior feito que posso alcançar como pai será conduzir os meus filhos ao temor do Senhor.

10 Passos para uma Vida Feliz

“Bom é que o coração se fortifique com graça.”
Hebreus 13:9

Todos queremos uma vida melhor. Mais feliz. Mais significativa. Queremos um coração cheio. Já todos (ou, quase) entendemos que a vida se faz com algo mais do que dinheiro, coisas, fama ou sucesso. Conhecemos quem tenha tudo isso e não saiba o que é viver. O coração, sede do que somos, das emoções, dos sonhos e das vontades, encontra satisfação em coisas inesperadas, quase sempre simples, sem preço e ao alcance de qualquer um. O que o coração precisa é Graça.

Ao estilo dos best-sellers de auto-ajuda, e inspirado no texto de Hebreus 13, proponho um caminho de 10 passos para uma vida cheia e com sentido.

1. Cultiva a Amizade.

No momento da criação Deus declarou: “Não é bom que o homem esteja só.” (Gn.2:18) Deus criou-te como um ser relacional. Constrói amizades genuínas, duradouras e que te permitam desenvolver todo o teu potencial. (Ec.4:9) Numa era em que acumulamos amizades virtuais o apelo ao amor fraternal é urgente. Põe o amor como a base sólida desses relacionamentos.

2. Mi casa es tu casa.

Faz da tua casa um lar. A família é um pilar fundamental da felicidade. Honra os teus pais. Respeita os teus filhos. Ama os teus irmãos. (Cl.3:17-21) Abre as portas para acolher os que precisam de conforto. Se o teu lar for o ponto central dos teus relacionamentos encontrarás um equilíbrio emocional, social, psicológico que se estenderá aos que te rodeiam.

3. Vive “com+paixão”!

A dor é parte da vida. Todos procuramos fugir do sofrimento, pois ele nos lembra da nossa miséria. Viver “com+paixão” é não olhar para o sofrimento do outro com indiferença. Não permitas que o teu coração se endureça. Alcança o outro no seu sofrimento. (Lc.10:25-37) Vais ver que suavizar as dores alheias é um bálsamo suave para a alma.

4 . Dá-te pelos outros.

Leva a tua compaixão à acção. Sê misericordioso. Chora com os que choram. (Rm.12:15)  Sai da tua zona de conforto e dá o teu tempo, dinheiro, talento e força em favor de quem precisa. O altruísmo é a expressão máxima da abundância de amor do teu coração. E, a matemática do coração é paradoxal – quanto mais repartes, mais tens.

5. Busca a pureza.

A sensualidade é um apelo poderoso ao teu corpo. E, aparentemente, um caminho fácil para o prazer disfarçado de felicidade. Se realmente houvesse nisso felicidade a taxa de divórcios não seria superior à de casamentos, o aborto não seria a solução final, as DST (doenças sexualmente transmissíveis) não destruiriam tantas vidas, os antidepressivos não seriam os medicamentos mais vendidos, o suicídio não seria a resposta para os desgostos amorosos. Aquilo que só dá prazer à carne não pode alimentar o espírito. Guarda o teu corpo. Goza a tua sexualidade dentro do padrão que Deus propõe. (1Ts.4:4)

6. Exercita a frugalidade.

As coisas têm um fascínio poderoso sobre nós. A publicidade cria necessidades artificiais que nos levam a dirigir todo o nosso esforço para TER em vez de SER. Aprende a viver com o que tens. Simplifica as tuas opções. Sê o senhor das tuas coisas, e não o contrário. (1Tm.6:10)

7. Ouve os teus líderes espirituais.

A espiritualidade é parte essencial da vida. És um ser espiritual. A noção de eternidade foi implantada no teu coração pelo próprio Deus. (Ec.3:11) Para que O buscasses. Aprende com os teus líderes espirituais. Ouve os seus conselhos. Obedece a sua orientação. Eles foram levantados por Deus para ser uma benção na tua vida. A sua experiência com Deus deve ser um estímulo ao teu próprio crescimento espiritual.

8. Firma as tuas convicções.

Busca a verdade e ela te libertará. (Jo.8:32) Enquanto andares sempre a mudar de opinião não poderás desenvolver as raízes que potenciarão o teu crescimento. Qualquer brisa te arrancará do lugar. (Cl.2:6-8) Estuda a Palavra de Deus. Firma as tuas convicções. Vive por elas. E, lembra-te: no dia em que puseres em causa uma só coisa daquilo que está escrito, argumentando segundo a tua conveniência, toda a tua fé será irremediavelmente posta em causa.

9. Cresce na Fé.

Desenvolve um relacionamento vivo com Deus. A base desse relacionamento é o sacrifício que Jesus Cristo fez na cruz em teu lugar. Ele pagou o preço do teu pecado. Ele esmagou a Satanás. Ele venceu a morte. (Hb.2:14) Ele ressuscitou para te capacitar a viver uma vida de santidade e de adoração a Deus – propósito para o qual foste criado. (Rm.7:4, 2Cor.5:15) Nunca te esqueças disso. Volta a este fundamento sempre. Para que cresças.

10. Sê generoso.

Deus deu o melhor que tinha por amor de ti. Quando dás o melhor de ti pelos outros revelas o carácter de Deus. Sê generoso. Amplia o teu coração. Olha para o mundo com os olhos de Deus. Deixa que Ele que ensine que melhor coisa é dar do que receber. (At.20:35)

O Olhar do Pai

“Orando pela chuva que sara
Para restaurar a minha alma.

Sou um farrapo em fuga.
Como cheguei aqui?
O que é que eu fiz?
Quando é que a minha esperança se vai erguer?
Como vou conhecê-lo?
Quando olho nos olhos do meu pai.”

(Eric Clapton, My father´s eyes, 1998)

Eric Clapton escreveu esta música inspirado no pai que nunca conheceu. Apesar dessa distância entre eles, transparece nas palavras do poema um anseio por comunhão que nunca poderá existir. Uma esperança de que no olhar do pai se encontra as respostas que buscamos.

Hoje, a R. adormeceu a olhar para mim. Estávamos na rua, e ela no seu carrinho de passeio. Os seus olhos estavam pesados de sono, mas ela resistia. Talvez a agitação em volta não ajudasse. Alguns minutos depois, o meu olhar cruzou-se com o dela. Ela fitava-me. Demorou-se um segundo e fechou os olhos, dormindo. Senti como se ela esperasse por aquele último olhar do pai, para lhe dar a confiança e segurança, para depois dormir. Sorri, enternecido. E, no meu coração, alegrei-me por reconhecer na simplicidade deste episódio o amor que ela tem por mim.

Lembrei-me da música de Clapton, e de um texto das Escrituras ainda mais relevante:

“Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele.”
2 Crónicas 16:9

Deus procura-nos com os seus olhos para nos dar a segurança, confiança, descanso e a força que necessitamos. Será que o Seu olhar encontrará o teu?