A prática da intimidade com Deus – 8 bases bíblicas

Hoje reli uma reflexão que coloquei aqui há quase dois anos atrás. “Onde estás?” fala da busca de Deus por nós. Mas, a intimidade de Deus também é o desejo de todos os Seus filhos. Embora essa experiência seja sobretudo um processo espiritual, logo, não palpável, a Bíblia aponta várias estratégias que devemos empregar no nosso dia-a-dia para perseguir a comunhão vital com o Senhor. Eis algumas delas:

  1. Fica a sós com Deus. A intimidade nunca será possível sem comunhão. Sei bem que as vidas agitadas que temos não nos deixam muito tempo livre – embora isso seja quase sempre mais uma desculpa. Jesus é o nosso maior exemplo nisto. Mesmo quando rodeado por multidões que solicitavam eufóricas a sua atenção, ele muitas vezes se retirava para o monte para estar só. (Jo.6:1-15) Só com o Pai. (ler mais…)
  2. Sê disciplinado. Nenhum atleta desleixado será vencedor. Os vencedores são disciplinados. Toma o exemplo de Daniel, que sendo superintendente do maior reino dos seus dias, tirava 3 momentos para orar ao Senhor. (Dn.6:1-11) Ele era um homem ocupado, e muito pressionado, mas, era disciplinado na sua busca por Deus. (ler mais…)
  3. Aprofunda-te na Palavra. Não podes ter intimidade com alguém que não conheces. Para conheceres Deus tens de buscá-lO na Sua Palavra. Não te satisfaças com o que ouves na pregação dominical. Em casa, abre a tua Bíblia e medita no que Deus tem para te dizer. (Sl.1:1-2) (ler mais…)
  4. Integra Deus no teu dia-a-dia. Deus não existe só ao Domingo, ou só está na casa de oração. Ele está contigo por onde quer que andares. Aprende com o exemplo de Neemias, e integra Deus no teu dia-a-dia, e nas tuas decisões. (Ne.2:4) Vive como se Ele estivesse presente, porque está mesmo. (ler mais…)
  5. Junta-te aos santos. As más companhias corrompem os bons costumes. (1Cor.15:33) Mas, como o ferro aguça o ferro, os homens aperfeiçoam-se no confronto com os outros. (Pv.27:17) Junta-te a irmãos na fé mais experientes e que te ajudem no crescimento. Aprende com eles.
  6. Sê honesto/sincero. Não tenhas medo de te expôr perante Deus. Ele já sabe tudo a teu respeito. Não há fórmulas, nem palavras certas. O teu coração sincero e contrito é tudo o que Deus quer. Expõe-Lhe os teus medos, angústias, lutas, fracassos. Ele cuidará de ti. (Fl.4:6-7)
  7. Sê grato. Não uses Deus apenas como uma forma de resolver os teus problemas. Dá-lhe a honra e o louvor que Ele merece por todo o bem que te tem feito. Sê grato. Perante Deus, mas, também perante a Igreja e os Homens. (Is.12:4) Para que todos saibam que o teu prazer está em Deus e que o bem que há em ti tem n’Ele a fonte.
  8. Sê obediente. O pecado é o mais poderoso impedimento da comunhão com Deus. Por isso, busca arrependimento, confessa e deixa que Deus te restaure. Depois, vai e não peques mais. Medita na vontade do Senhor e procura obedecê-la em tudo. (Tg.1:22-25) A obediência é o contrário do pecado. A santidade é a sua consequência. A intimidade com Deus a sua recompensa.

Qual a tua experiência na busca da intimidade com Deus?

Mantém-te ligado nos próximos dias enquanto exploramos cada um destes passos.

O Olhar do Pai

“Orando pela chuva que sara
Para restaurar a minha alma.

Sou um farrapo em fuga.
Como cheguei aqui?
O que é que eu fiz?
Quando é que a minha esperança se vai erguer?
Como vou conhecê-lo?
Quando olho nos olhos do meu pai.”

(Eric Clapton, My father´s eyes, 1998)

Eric Clapton escreveu esta música inspirado no pai que nunca conheceu. Apesar dessa distância entre eles, transparece nas palavras do poema um anseio por comunhão que nunca poderá existir. Uma esperança de que no olhar do pai se encontra as respostas que buscamos.

Hoje, a R. adormeceu a olhar para mim. Estávamos na rua, e ela no seu carrinho de passeio. Os seus olhos estavam pesados de sono, mas ela resistia. Talvez a agitação em volta não ajudasse. Alguns minutos depois, o meu olhar cruzou-se com o dela. Ela fitava-me. Demorou-se um segundo e fechou os olhos, dormindo. Senti como se ela esperasse por aquele último olhar do pai, para lhe dar a confiança e segurança, para depois dormir. Sorri, enternecido. E, no meu coração, alegrei-me por reconhecer na simplicidade deste episódio o amor que ela tem por mim.

Lembrei-me da música de Clapton, e de um texto das Escrituras ainda mais relevante:

“Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele.”
2 Crónicas 16:9

Deus procura-nos com os seus olhos para nos dar a segurança, confiança, descanso e a força que necessitamos. Será que o Seu olhar encontrará o teu?

Desejo ardente

O primeiro dia em casa com a família completa despertou alguns ciúmes no J. e na I. Andaram o dia todo a pedir mimo, a chamar a atenção, a amuar. Perante a chegada da pequena R. tentaram marcar o seu território! 🙂

A fome de colo dos meus filhos lembrou-me de como o Amor verdadeiro também tem ciúme. Um ciúme bom, de querer estar perto, de beber todo o carinho, da procura do toque, do afecto. Mas, esse comportamento esconde uma insegurança: o medo de perder o colo do pai.

Hoje, tenho a visão do outro lado: a do pai. E, na perspectiva do pai, o seu colo será sempre do tamanho dos seus filhos. Costumo dizer que no meu colo cabem todos os filhos, é um colo grande, generoso e disponível.

Pensei no relacionamento que muitas vezes temos com Deus. Sendo filhos cambaleamos entre dois estados de espírito: ou nos desinteressamos por Ele ou ardemos de ciúmes tontos alimentados pelos nossos medos.

Esquecemo-nos de quem é o nosso Pai. O Deus-Amor cujo colo não se esgota.

 

O maior anseio de Deus :: Devocional

6.Maio :: Provérbios 23:26

“O consumo está sempre ligado a objectos desejados. Consumimos o que queremos ter para nós. Uns ténis, um jogo, um carro, uma bolsa, uns sapatos, uma camisa, etc. O que nos move na direcção deste querer Ter ? Porque acreditamos que tendo o objeto desejado, nós Seremos mais felizes… Observem que estamos a falar de dois verbos: o verbo TER e o verbo SER. Ao TER o que queremos, SERemos mais…felizes!!! Esta é a primeira fórmula que eu queria mostrar: o TER promete transformar o SER.” (Artur Scarpato, psicólogo clínico sobre o consumo compulsivo)

Muitas vezes transportamos para o nosso relacionamento com Deus o mesmo comportamento. Pensamos que TER as atitudes certas é suficiente para SERmos agradáveis a Deus. Carregamo-nos de boas obras: comparência nos cultos, esmolas, visitação, linguagem sã, evitar pecados, etc. Todas essas coisas são obviamente boas e devem abundar nas nossas vidas. Mas, não é isso, por si, que nos fará agradáveis a Deus. O que Deus pede de ti, o que Ele anseia mais do que tudo é o teu coração.

A entrega do teu coração a Deus significa que te rendes completamente à Sua vontade. Essa é a melhor expressão de Amor que podes ter para com Deus.

  1. Será que tens tentado substituir a rendição do teu coração a Deus por outras coisas, ainda que sejam boas obras? Reflecte sobre isso e derrama o teu coração perante o Senhor.

Amor revolucionário

Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Gálatas 5:14

A nossa filha I. tem sido nos últimos tempos o melhor exemplo deste revolucionário ensino de Deus. Sempre que vem pedir alguma coisa para ela – pão, bolachas, água – nunca se esquece de dizer:

“E, pó J’ão?” 🙂

Num mundo EGOcêntrico como aquele em que vivemos, o melhor que se pode esperar como filosofia de vida é: “Não faças aos outros aquilo que não queres que te façam a ti.”

No Reino CRISTOcêntrico em que somos convidados por Deus a viver a realidade é muito mais revolucionária: “Faz aos outros aquilo (o bem) que buscas para ti.”