“Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça.” (João 1:16)

Uma das tradições que se estabeleceu na quadra natalícia é a troca de presentes. Tenha sido inspirada pela visita dos magos e as suas ofertas, ou por outras estórias da Igreja, o certo é que, actualmente, essa é uma das tradições centrais do Natal. Infelizmente, qualquer sentido original que apontasse para Jesus está corrompido e perdido. O frenesim consumista e materialista é o espírito dominante da época. As crianças aguardam inquietas pela chegada do Pai Natal, essa figura antítese de Cristo, que recompensa os bons e castiga os maus. Debaixo da árvore iluminada amontoam-se presentes sobre presentes mas, muito pouca Graça.

Graça é uma dádiva. Um favor imerecido. Algo que é ofertado voluntariamente por causa do Amor que se tem e não pelo mérito de quem recebe. Algo que não custa nada a quem recebe mas que abençoa a sua vida além do imaginado.

“o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” (Romanos 6:23)

“Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (Efésios 2:8)

“sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus” (Romanos 3:24)

Deus, ao contrário do Pai Natal, abençoa os inimigos, os rebeldes, os desobedientes, os que merecem castigo, os que não podem retribuir. E, a dádiva é tão sublime, tão além do que merecemos ou saberíamos pedir que fala poderosamente sobre a majestade gloriosa do Senhor que nos ama.

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)

O dom de Deus é graça sobre graça. Quando consideramos as Escrituras, o que elas nos ensinam sobre a Salvação que recebemos por Jesus é com abrir um presente, ficar em êxtase com o recebido e, perceber que depois ainda há outro, tão extraordinário como o anterior, e depois, outro e outro e outro. Graça sobre graça.

De Deus recebemos a graça da encarnação, do Emanuel, Deus connosco, da visita do Eterno. Recebemos a graça da sua compaixão e misericórdia. Do Seu amor que não poupou o Filho Amado. Do sacrifício expiatório de Jesus na Cruz. A iluminação do Espírito Santo pela Palavra. A regeneração. O dom da fé. O perdão de pecados. A plena e irrevogável justiça de Cristo imputada a nós. A reconciliação com Deus. A adopção como filhos na Sua família. O selo do Espírito Santo que garante todas as promessas de Deus. O sermos templo de Deus. A santificação. A perseverança até à glória. O acesso ao trono da graça. O sermos participantes da natureza divina. O lar celestial. A herança juntamente com Cristo. Graça sobre graça.

Ninguém nos ama como Deus. Ninguém nos quer bem como Deus. Ninguém pode transformar a nossa vida como Deus. Tudo tem o seu princípio em Jesus. Da sua plenitude recebemos graça sobre graça!

“Graças a Deus pelo seu dom inefável!” (2 Coríntios 9:15)