Deus e o sofrimento humano

“O problema do sofrimento é a mais potente arma do ateísmo contra a fé cristã.” (C.S.Lewis)

Não posso deixar de concordar com C.S.Lewis. A questão do sofrimento humano é aquela que é mais vezes levantada para justificar a descrença de Deus. Ela é normalmente colocada nestes termos:

Se Deus é Todo-Poderoso, e realmente Ama o Homem, porque é que Ele não impede as guerras, a fome, as doenças e o sofrimento humano?

Nesta reclamação contra Deus está escondida uma acusação à Sua Justiça – ou seja, à Sua fidelidade a Si próprio:

  • Se Deus é Todo-Poderoso e não faz nada em relação ao sofrimento humano é porque não se importa, e não é Amor.
  • Se Ele realmente se importa e nos Ama, e não faz nada, é porque não pode fazer nada, logo não é Todo-Poderoso.

Este aparente paradoxo parece lançar o golpe final na natureza e carácter de Deus, e justificar o espírito ateísta que diz que Deus está morto!

A razão porque esta questão é tão importante é que ela é muito próxima de nós. Não é um conceito teológico distante mas, algo que toca as nossas vidas, de todos nós. Todos sofremos de uma maneira ou de outra. A perda de um ente querido. Uma doença. Uma angústia da alma. Uma injustiça. Sofremos com o sofrimento dos outros. Com as imagens da Fome. Da Guerra.

Quando o sofrimento vem sobre alguém mau, encontramos nisso um certo sentido de justiça poética. Mas, quando vemos sofrer alguém bom isso deixa-nos revoltados e perplexos. Se somos nós a sofrer, ou alguém que nos é querido, estamos a um passo de levantar dedos acusadores a Deus. Quando são os inocentes, como crianças, então toda a nossa raiva contra Deus explode.

Não tenho uma resposta ou explicação definitiva para a questão do sofrimento. Mas, encontro em Deus os fundamentos para uma fé que me permite olhar para o problema com esperança. Eis em 4 pontos o que creio biblicamente sobre o assunto:

1. Deus É.

A questão: “Se Deus é…” parte de uma premissa errada que inquina todo o raciocínio que se segue. Ao abordarmos o problema desta maneira colocamos Deus no banco dos réus e avaliamo-l’O pelos nossos próprios padrões. Mas, quem nos nomeou juízes morais do Universo? Não somos capazes de concordar em coisas tão simples como: qual a cor mais bonita, ou o melhor prato de comida; debatemos qual é o melhor sistema político; discordamos nas preferências clubísticas, mas, de repente, estamos perfeitamente habilitados para determinar com toda a confiança o que é bom, justo e amoroso. Basta olharmos para a História e perceber que esse padrão estabelecido pelo Homem tem variado muito ao longo dos séculos.

A Bíblia afirma que Deus É. “Eu Sou o que Sou”, disse Deus a Moisés (Ex.3:13-14). Deus é Bom. Deus é Amor. Deus é Todo-Poderoso. Deus é Justo. Ele não muda. Ele é o padrão pelo qual todas as coisas serão julgadas. Não é a minha avaliação ou percepção que estabelecem o carácter de Deus. Se Deus castiga com sofrimento um mau, Deus é Bom  e Justo. Se Deus deixa o bom sofrer, é mesquinho e cruel. Deus É, e o Seu carácter Santo manifesta-se em tudo o que faz.

Por tudo isto, uma melhor pergunta é:

  • Deus é Bom. Como entender o meu sofrimento?
  • Deus é Amor. O que é que Ele me quer ensinar neste momento difícil?
  • Deus é Todo-Poderoso. Se Ele não afasta de mim esta aflição, por onde é que me está a conduzir?

Ao trazermos o foco sobre nós, com confiança no carácter de Deus, estaremos mais perto de O conhecer, e de experimentar o Seu consolo.

2. A raiz do sofrimento é o pecado.

O sofrimento humano começa no Éden, depois do pecado. Depois da Queda,  Deus disse a Adão que teria que trabalhar duramente para ganhar o seu sustento, e a Eva disse que com dor daria à luz filhos (Gn.3:16-19). A dor. O sofrimento. A doença. O envelhecimento. A morte. Todos entraram pelo pecado. A Bíblia diz que toda a criação geme ansiando a redenção – a consumação da salvação, e o Reino triunfal de Deus (Rm.8:22).

Muito – talvez a esmagadora maioria – do sofrimento humano é causado pelo próprio Homem.

Há Fome. Deus, na Sua Graça, dá provisão para todos. O planeta produz alimento suficiente para todos os Homens. Por que há fome? Porque há países – leia-se homens – que preferem destruir comida para manter o seu estatuto e poderio, do que partilhá-la com os pobres.

Há Guerra. Deus renova a Sua misericórdia a cada manhã. Faz chover sobre justos e injustos. Dá capacidade e inteligência ao Homem. E o que fazemos com isso? Tornamo-nos arrogantes, pretenciosos, facciosos e odiosos. Matamos para afirmar o nosso poder. Guerreamos para dominar sobre os fracos. Esquecemo-nos que somos pó.

Se, nós, Homens, usamos a Graça e Misericórdia de Deus como oportunidade para dar lugar ao pecado, de que lado está a falha moral? É Deus culpado da nossa obstinação?

3. Deus é Soberano no meu sofrimento.

Quando Adão e Eva pecaram expondo as suas vidas ao sofrimento, Deus usou de misericórdia pondo um anjo de guarda a uma outra árvore do Jardim, a Árvore da Vida. Deus não queria que eles comessem dela e vivessem para sempre no seu pecado. Agora, por intermédio de Jesus Cristo, tendo sido perdoados de todo o pecado, podemos ter acesso à Árvore da Vida, e comer dela livremente. (Gn.3:23-24)

Jó é descrito pelo próprio Deus como sendo justo e íntegro. (Jó1:8) No entanto, Deus permitiu que Satanás lhe tirasse tudo menos a vida (Jó2:3-7). Perdeu fortuna. Filhos. Saúde. Teve a incompreensão dos amigos. O escárnio da esposa. O abandono – ou, o sentimento de abandono – de Deus. Jó é apresentado na Bíblia como o expoente máximo de sofrimento que algum homem pode experimentar. Em tudo, Deus esteve no controlo. No fim, Satanás foi envergonhado. Os amigos foram envergonhados. A esposa. Jó. Mas, Deus foi glorificado. E, na glória de Deus Jó foi abençoado. Com saúde. Com filhos. Com fortuna. Com conhecimento do Santo e uma esperança firme: “Eu sei que o meu Redentor vive! Agora os meus olhos te vêem.” (Jó 19:25; Jó 42:5)

O apóstolo Paulo recebeu um espinho na carne que muito o afligia. Orou fervorosamente e insistentemente ao Senhor por libertação, mas, a resposta foi: “Não!” Por que é que Deus não tirou o sofrimento de um dos Seus maiores servos de todos os tempos? Por Deus tinha algo melhor em mente: “A minha Graça te basta. O meu poder aperfeiçoa-se na tua fraqueza.” (2 Coríntios 12:9)

Certo dia, Jesus e os discípulos encontraram um homem cego de nascença. A pergunta, a mesma pergunta, perturbadora, logo surgiu: “Quem pecou? Ele ou os seus pais, para que nascesse cego?” A resposta de Jesus veio cheia de Esperança para o cego e para nós: “Nasceu assim para a glória de Deus!” (João 9:3)

De um modo que não compreendemos bem, Deus é glorificado, ou seja, as Suas perfeições são exaltadas, mesmo no nosso sofrimento. Por vezes, é fácil entendermos isso, como no caso deste cego que foi curado. Mas, Ele também é glorificado e perfeito no caso de Paulo que não recebeu a cura.

O sofrimento só é destrutivo quando suportado longe de Deus. Quando O conhecemos experimentamos o Seu Amor, Bondade, Poder, mesmo se a cura não vem.

Convido-te a conhecer a história de duas pessoas que, no nosso tempo, são o exemplo vivo daquilo que acabo de dizer: Joni Eareckson Tada e Nick Vujicic.

4. Deus entende o meu sofrimento.

Para mim, esta é a verdade mais consoladora de todas. Porque traz Deus para perto de mim. Ele não está lá no longínquo Céu, indiferente ou incapaz de entender a minha condição. Ele sabe. Ele entende. Porque Ele veio.

Vamos falar de sofrimento? Jesus, o Filho de Deus, nasceu num estábulo. A sua primeira cama foi uma manjedoura. Pobreza. Humilhação. Não havia outro lugar para Ele. Em criança viveu como refugiado no Egipto. A Sua família terrena era humilde. Cedo trabalhou para ajudar no sustento da casa. Perdeu o pai, José, ainda muito jovem. Luto. Dor. Quando começou o seu ministério foi rejeitado pelos seus próprios irmãos. A sua cidade não O acolheu. Rejeição. Indiferença. Ao longo dos três anos em que percorreu a Judeia foi insultado, expulso de cidades, tentaram apedrejá-lo, quiseram prendê-lo por várias vezes. Muitos seguiam-no por interesse. Perdeu um dos seus melhores amigos, Lázaro, a quem ressuscitou. Luto. Dor. Choro. Foi traído por um dos seus discípulos. Abandonado por todos os outros. Negado por Pedro. Julgado injustamente. Condenado. Esmurrado. Cuspido. Chicoteado. Carregou uma cruz até ao cimo do Calvário. Foi pendurado nela durante 6 horas. Morreu.

Ele entende. Em Jesus Cristo temos um Sumo-Sacerdote – um mediador entre nós e Deus – que pode compadecer-se de nós, porque foi experimentado nas mesmas dores. E, saiu sobre elas vitorioso! Ele compadece-se de ti. (Hebreus 4:15; Hebreus 5:5-8)

Nos diferentes encontros que Jesus teve com diferentes pessoas, com diferentes problemas, a expressão que se repete que explica a atitude d’Ele é: “moveu-se de compaixão”. A compaixão de Jesus levou-O a dar vista ao cego, a curar o paralítico, a libertar os oprimidos, a sarar os leprosos, a ressuscitar o filho da viúva pobre, a ressuscitar Lázaro, e a operar um sem número de milagres que aliviaram o sofrimento de muitos. Hoje, Ele ainda se move de compaixão em favor de ti.

Por que razão Ele não cura e alivia o sofrimento de todos os que sofrem, mas só de alguns? Não sei. Mas, sei que Ele entende, e se compadece, e que, se não cura é porque tem algo melhor reservado para a Sua Glória.

Nos momentos de sofrimento quero trazer à memória aquilo que me dá esperança. Que,

O meu Redentor Vive, e por fim, se levantará sobre a Terra. (Jó 19:25)

___________________________________

Outros artigos da série: A Justiça de Deus 

A Justiça de Deus em salvar pecadores (3)

Visto que as nossas transgressões e os nossos pecados estão sobre nós, e nós desfalecemos neles, como viveremos então?
Ezequiel 33:10

Como escapar da condenação e ira? A resposta a essa pergunta é a mais importante de toda a tua vida.

Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Romanos 3:24-26

O texto fala da paciência de Deus, e de pecados cometidos sob a paciência de Deus. Desde a Queda, Deus tem retido a Sua Ira e tem suportado os pecados dos Homens. Ele tem demonstrado Graça e Misericórdia para com todos não nos dando a justa retribuição pelos nossos pecados no momento em que os cometemos. Tudo isso é possível por causa de Jesus Cristo – o Cordeiro que estava preparado ainda antes da fundação do mundo (1 Pedro 1:20; Apocalipse 13:8). O plano de Deus é perfeito! Deus tem agido assim porque quer chamar-te ao arrependimento.

Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento? Romanos 2:4

Mas, um dia a Sua paciência não susterá mais a Sua Santa e Justa Ira.

Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus; O qual recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: A vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção; Mas a indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniquidade; Romanos 2:5-8

A Bíblia ensina que a Salvação vem pela fé em Cristo. (Efésios 2:8-9) A Obra de Jesus Cristo é a única que pode satisfazer a Justiça de Deus. Ora, a fé, essa fé salvadora, não é natural em nós. Ela é despertada nos nossos corações quando ouvimos a Palavra de Deus. (Rom.10:17)

Convicção de pecado e da Santidade de Deus

A revelação de Deus à nossa mente e coração, o conhecimento da Sua Natureza, da nossa natureza, produz em nós, pela acção do Espírito Santo – ou seja, do próprio Deus – uma profunda convicção acerca das coisas eternas.

Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.
E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.
Do pecado, porque não crêem em mim;
Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;
E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.
Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.
Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.
Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu, e vo-lo há de anunciar.
João 16:7-14

O Espírito Santo conduz-nos a toda a verdade. Toda a verdade sobre Deus. Toda a verdade sobre nós. Ele mostra-nos a Glória do Deus Santo, a perfeição do Seu Carácter. E, mostra-nos o nosso pecado, rebeldia e desobediência. Mostra-nos a Santidade de Deus, e a abominação do pecado. Mostra-nos a Ira Justa do Santo, e a condenação merecida do Homem. Mostra-nos Jesus Cristo, a Graça, a Misericórdia de Deus, e a esperança que eles representam para a Humanidade. Toda a verdade.

Arrependimento

Essa verdade deve produzir em nós uma profunda convicção de pecado, vergonha e culpa diante da Santidade de Deus. Mas, ao mesmo tempo, deve elevar os nossos corações com a esperança de que Deus proveu para nós uma gloriosa Salvação. Por isso, Deus nos exorta:

Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a Sua voz, não endureçais os vossos corações.
Hebreus 3:7-8

Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado.
Hebreus 3:13

Se endurecemos os nossos corações não resta para nós qualquer esperança de Salvação. Da nossa obstinação em recusar a oferta gratuita e graciosa de Deus – a justificação pela fé em Jesus – só resultará condenação. Mas, se ao ouvirmos a Verdade, chorarmos a nossa vergonha, sentirmos a nossa culpa e nos arrependermos do nosso pecado, os Céus se abrirão com Graça, Misericórdia e Perdão.

Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor. Atos 3:19

Arrependimento é mais do que remorso. Muito mais do que nos sentirmos mal com o nosso pecado. É detestá-lo. Abominá-lo. Fugir dele. Não o tolerar mais. Não o desejar mais na nossa vida. É amar e não aborrecer a Deus. É amar a santidade, a justiça e verdade. É vir para a Luz. É desejar, de todo o coração, viver para a glória de Deus.

Confissão

O arrependimento é uma mudança radical de interesses, afectos, vontades e prioridades. É uma transformação tão radical do coração que a Bíblia fala de conversão – somos mudados noutra coisa. Um novo nascimento (João 3:3). Uma nova criação de Deus (2 Coríntios 5:17). Este tipo de arrependimento e tal transformação só podem vir de Deus (João 1:13).

Esta mudança produz um impacto tão grande nos nossos corações e nas nossas mentes que os lábios que antes protestavam: “Não há Deus!” (Salmos 53:1) agora alegremente confessam e proclamam que “Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” (Filipenses 2:11).

A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos,
A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.
Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
Romanos 10:8-10

A confissão de Jesus Cristo como Senhor é uma evidência da genuína conversão. O reconhecimento do pecado é importante. O arrependimento é fundamental. A confissão de pecados requerida. Mas, confessar a Cristo como Senhor é a prova que estamos a ser dirigidos pelo Espírito Santo de Deus (1 João 4:15; 1 João 4:2; 1 João 2:22; 1 Coríntios 12:3). A confissão do senhorio de Cristo é a nossa declaração de dependência da Sua Obra. A confissão de Cristo é a nossa declaração de rendição ao Seu senhorio.

Justiça Imputada

Quando há esta fé em ti e o teu coração é assim convertido, Deus será “justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.” (Romanos 3:26) Deus permanece Justo ao salvar-te porque a Sua Justiça foi satisfeita em Cristo. E, a ti, que crês, ele pode justificar – ou seja, declarar justo – por causa da tua fé na Obra expiatória de Cristo. A Bíblia chama a isso Justiça Imputada.

Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida.
Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça.
Romanos 4:4-5

Não é pelas nossas obras, ou méritos, ou vontade, que somos declarados justos. Essa justiça é-nos atribuída – ou seja, imputada – por Deus, por causa da nossa fé em Cristo. É a Justiça de Cristo que agora é também a nossa justiça (2 Coríntios 5:21).

A maravilha da Salvação não termina aqui. Tendo sido justificados, fomos reconciliados com Deus (Romanos 5:1; Romanos 5:10). E, não só reconciliados mas, feitos filhos de Deus, adoptados na família de Deus (João 1:12; Romanos 8:14; Romanos 8:16; 1 João 3:1) . E, sendo adoptados, feitos co-herdeiros com Cristo de todas as coisas (Romanos 8:17)!

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?
Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.
Romanos 11:33-36

Vem HOJE a Jesus Cristo. Arrepende-te. Crê. Confessa. E serás salvo!

_________________________________

No último capítulo desta série sobre a “Justiça de Deus” falaremos sobre a compreensão do sofrimento à luz da Palavra de Deus.

_________________________________

Outros artigos da série: A Justiça de Deus 

A Justiça de Deus em salvar pecadores (2)

Na Bíblia há duas palavras para descrever o modo como Deus tem lidado com o Homem. Essas duas palavras estão bem no coração da mensagem a que chamamos Evangelho. Misericórdia e Graça.

A Misericórdia refere-se ao facto de Deus não nos dar o castigo merecido. A Graça é o favor imerecido que recebemos de Deus. Os dois são uma clara violação a todo o conceito de Justiça que temos vindo a estudar. Como entender isto?

Em 1 Pedro 1:3-13 lemos que a Misericórdia e a Graça nos trouxeram:

  • uma viva esperança (vs.3)
  • uma herança incorruptível nos céus (vs.4)
  • protecção da ira de Deus (vs.5)
  • a salvação das nossas almas (vs.6,9)
  • um propósito na vida que não pode ser apagado pelas circunstâncias (vs.6,7)
  • gozo inesgotável (vs.6,8)
  • conhecimento de Deus (vs.13)

Pedro também explica qual o firme fundamento destas bençãos de Deus para nós:

“(…) testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir.”
1 Pedro 1:11

A mensagem do Evangelho sobre a Graça e Misericórdia de Deus não existe à parte de Jesus Cristo – dos Seus sofrimentos e da Sua glória. É a Obra da Cruz que desbloqueia a Graça para nós. O apóstolo Paulo explica isso mesmo em Romanos 3.

Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas…
Romanos 3:21

Deus manifestou a Sua Justiça de uma forma inesperada. Pela lei, a justiça divina examina a nossa obediência total a todos os preceitos e mandamentos do Senhor. Desse modo, todos estamos condenados. Mas, Deus, que é riquíssimo em misericórdia (Ef.2:4), manifestou uma Justiça mais gloriosa e sublime:

Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Romanos 3:22-24

Esta justiça não depende da nossa obediência à lei, logo, não depende de nenhum esforço ou vontade humana. Ela vem pela exclusivamente pela fé em Jesus Cristo, de modo que todos os que a recebem são iguais diante de Deus. Ele não nos custa nada, é-nos dada gratuitamente e imerecidamente pela Graça de Deus. Por último, ela depende inteiramente da redenção – o preço que foi pago – por Cristo Jesus.

Porque é que Deus faz isto? Porque é Deus Gracioso e Misericordioso e nos Ama. Como é que Deus faz isto sem violar a Sua Santidade e Justiça? Pelo sangue de Jesus Cristo.

Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Romanos 3:24-26

A Bíblia ensina que a morte de Jesus foi:

Substitutiva.

O castigo do pecado é a morte. Jesus não morreu pela Sua culpa e pecados, mas, pela nossa culpa e pelos nossos pecados. Ele tomou o nosso lugar no castigo que nos estava reservado por Deus. (Rm.5:6,8,10; Gl.1:4; Ef.2:5, Is.53:4-6)

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.
Isaías 53:4-6

Redentora.

A pena do pecado só pode ser paga com sangue (Hb.9:22). Quando Jesus verteu o Seu sangue na Cruz, Ele pagou o preço da nossa redenção, ou seja, da nossa liberdade da condenação. (Ef.1:7; Col.1:14; Hb.9:11-12)

Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,
Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
Hebreus 9:11-12

Propiciatória.

O Homem no Seu pecado rejeita a Deus. Deus na Sua Santidade arde em ira contra o Homem. O sacrifício de Jesus, substitutivo e redentor, faz a paz entre Deus e o Homem (Ef.2:13-16). Esse sacrifício permite que Deus nos seja favorável, ou, propício, mostrando Graça e Misericórdia. E, provando o Seu amor por nós, constrange-nos ao arrependimento e confissão de pecados, e à fé em Jesus Cristo (Col.1:20-21; Hb.9:24 Is.53:12).

Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.
Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio,
Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz,
E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades.
Efésios 2:13-16

Justificadora.

Agora, Deus julga-me mediante o sacrifício de Jesus Cristo. Ele morreu em meu lugar. Ele suportou a ira e condenação pelos meus pecados. Ele pagou o preço da minha liberdade. Ele abriu o caminho da Graça e da Misericórdia de Deus. Ele me tornou aceitável aos olhos de Deus. Como? Porque Deus vê em mim a perfeição e justiça de Jesus Cristo. (Is.53:10-12; Rm5:1,9,18-19; Cl.1:21-22; Hb.9:14; 10:10,14)

E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus.
A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou
No corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis
Colossenses 1:20-22

E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades.
Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado.
Hebreus 10:17-18

Onde há remissão – quando o preço já foi pago – não há mais oblação – oferta, novo pagamento devido – pelo pecado. Por isso, Deus é Justo em mostrar Graça e Misericórdia e perdão aos pecadores. Como diz,

Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Romanos 3:21-26

Ele é Justo e Justificador por causa da Obra de Jesus Cristo. O Deus Santo permanece Justo mesmo quando não condena o pecador (Misericórdia) porque a Sua Justiça foi satisfeita em Jesus Cristo. O Deus Santo permanece Justo mesmo quando salva o pecador (Graça) porque a Sua Justiça foi satisfeita em Jesus Cristo.

Onde está, então, o motivo de vanglória? É excluído.
Romanos 3:27

Toda a nossa vaidade, arrogância, presunção, ou mérito são anulados pela Cruz de Cristo – a nossa Justiça. Soli Deo Gloria. Glória somente a Deus.

______________________________

No próximo artigo responderemos à questão: O “que devo fazer para ser salvo?”

______________________________

Outros artigos da Série: A Justiça de Deus.

A Justiça de Deus em salvar pecadores

Os meus filhos não são de ficar calados perante injustiças. Por vezes, quando tenho que os disciplinar, levantam-se em defesa da honra e argumentam: “Ela também estava a fazer!”, ou “Ela é que começou!”. O “ela” refere-se à R., a bebé da família.

A razão do seu descontentamento e sentimento de injustiça não é o serem castigados – pois sabem bem que o merecem – mas,  é a irmã ser quase sempre poupada ao castigo. O motivo é simples – ela, sendo ainda bebé, nem sempre entende as implicações daquilo que está a fazer, enquanto que eles têm entendimento para reconhecer o seu erro.

O escândalo da Graça

Reconheço no nosso lidar com Deus o mesmo comportamento. O que mais nos incomoda na Justiça de Deus não é propriamente o castigo – inteiramente justo – dos nossos pecados, mas o facto do castigo não ser aplicado a todos. A Salvação é o nosso tropeço. A Cruz, a loucura que nos revolve as entranhas.

Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. 1 Coríntios 1:23

Eu, porém, irmãos, se prego ainda a circuncisão, por que sou, pois, perseguido? Logo o escândalo da cruz está aniquilado. Gálatas 5:11

Como está escrito:Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo;E todo aquele que crer nela não será confundido. Romanos 9:33

Será o maior acto de Amor de Deus – a Salvação do Homem – a Sua maior injustiça?

Porventura perverteria Deus o direito? E perverteria o Todo Poderoso a justiça? Jó 8:3

A profecia do Antigo Testamento termina num tom sombrio. Deus está insatisfeito com o Homem. A multidão de gentios (não-judeus) vive em rebelião aberta contra Deus. Os judeus, o povo escolhido de Deus, vivem em rebelião encapotada, escondida por detrás de uma religiosidade morta. “Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos” (Salmos 14:3) O Julgamento chegará, avisa o Senhor pela voz do profeta Malaquias.

Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo. Malaquias 4:1

Mas, a voz profética deixa um vislumbre de esperança:

Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas. Malaquias 4:2

Perante o mais abominável estado de pecado do Homem, Deus prepara a Sua mais brilhante e gloriosa manifestação de Justiça. Tão majestosa será que não pode ser ignorada, ou escondida, nem diminuída no Seu esplendor, tal como o sol.

Tal como sol que brilha sobre justos e injustos, bons e maus, a glória desta Justiça será manifesta a todos, e estará sobre todos, de modo que serão julgados à luz dela. (Romanos 2:16)

E, surpreendentemente, esta perfeita Justiça não trará a ardente Ira de Deus sobre todos,  mas, cura e comunhão para muitos – os que temem o Seu nome.

_________________________________

  • Como é que Deus pode ser justo e não condenar pecadores?
  • Como é que Ele pode harmonizar todos os Seus atributos – bondade, misericórdia, amor, justiça, ira, santidade?
  • Qual é a maior manifestação da Justiça divina?
  • Como é que eu posso ser declarado justo diante de Deus se sou um pecador?

Nos próximos dias responderemos a estas questões.

__________________________________

Outros artigos da Série: A Justiça de Deus.

A Justiça de Deus em condenar pecadores (4)

Uma das questões que me motivou a fazer esta série sobre a Justiça de Deus foi:

“Se não há salvação a não ser por Cristo, como ficam os milhões de seres humanos que nasceram e viveram antes de Cristo?”

Por trás desta pergunta está a presunção de que a menos que a oportunidade de salvação tenha sido oferecida a todas as pessoas, Deus não pode condenar ninguém sem ser injusto. Este modo de pensar não está, no entanto, correcto. Vejamos porquê.

  1. A justiça de uma decisão está relacionada com a conformidade às regras pré-estabelecidas. Por exemplo, se eu passo um semáforo vermelho e sou multado, fez-se justiça.
  2. A não aplicação da pena a uns não torna a pena injusta para outros. Ou seja, se outro condutor passa o sinal vermelho e consegue escapar, eu, ao ser multado, não estou a ser injustiçado, porque tendo violado a lei estou sujeito à respectiva pena.

Já vimos que Deus é Justo porque Ele sempre age de acordo com a Verdade. Sobre nós, concluímos que somos pecadores, e o nosso pecado é uma grave ofensa contra a Santidade de Deus, é a raiz de todos os nossos males e desgraçadamente não podemos livrar-nos dele por nós mesmos. Conjugando estas duas verdades fundamentais temos que: um Deus Justo deve castigar o pecado do Homem.

A Justiça na condenação

Quando Deus castiga o Homem, Ele é Justo. É justo porque não há nenhum Homem que vá ser condenado por Deus não sendo pecador. Todos serão castigados pelo seu próprio pecado.

A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele. Ezequiel 18:20

Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus;
O qual recompensará cada um segundo as suas obras. Romanos 2:5-6

“Mas, – perguntamos – e as pessoas que nunca leram a Bíblia, nunca ouviram falar de Cristo, nunca souberam estas coisas?” Será que é justo Deus condená-las por algo que não sabiam?

Já aqui disse que o desconhecimento da lei não nos livra da penalidade em caso de infracção, mas, esse nem sequer é o nosso caso. Vejamos:

Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas.
Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados.
Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados.
Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei;
Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;
No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho.
Romanos 2:11-16

Este texto é esclarecedor:

  1. Deus não faz diferença entre pessoas quando está a julgar. Ele não tem favoritos, nem beneficia ninguém sobre outros.
  2. Seremos julgados de acordo com o conhecimento que temos.
  3. Mesmo não conhecendo a letra da Lei de Deus, conhecemos e praticamos naturalmente – porque somos sua criação, e temos essa lei escrita nos corações – muitos dos seus preceitos. Nem todos somos bandidos, muitos somos capazes de fazer o bem, somos honestos, amamos o próximo, etc.
  4. Mesmo não conhecendo a letra da Lei de Deus, quando violamos esses preceitos sentimos a nossa consciência a acusar-nos de que fizemos alguma coisa errada.
  5. O conhecimento formal da Lei de Deus não nos torna livres de culpa, é preciso praticá-la.
  6. O conhecimento formal da Lei de Deus apenas aumenta a nossa responsabilidade diante dele, e a nossa culpa quando a rejeitamos.
  7. Deus nos julgará por Jesus Cristo.

Concluindo:

Se eu nunca ouvi falar de Jesus Cristo, Deus não vai condenar-me ao inferno porque eu não O reconheci como Senhor, mas sim, porque eu prevariquei abundantemente contra o conhecimento que tinha do bem e do mal.

Se eu ouvi a maravilhosa mensagem do Evangelho e a recusei, então, também serei condenado pelos meus pecados praticados, sendo que o maior de todos foi rejeitar a Salvação que Deus amorosamente e graciosamente me ofereceu em Jesus Cristo.

De qualquer modo, Deus age com Justiça.

___________________________

Outros artigos da Série: A Justiça de Deus.