Confissão: lições de uma criança

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.
1 João 1:9

Amo muito todos os meus filhos. Cada um deles é único e um fascínio para mim. Hoje, o J. e eu tivemos uma boa conversa. E, eu aprendi uma profunda lição espiritual.

O J. é um menino de coração puro. Ele reage com sinceridade e urgência aos seus erros e à injustiça. Hoje, quando nos preparávamos para sair de casa, reparei que o casaco dele estava sujo. Perguntei-lhe como o tinha sujado e ele respondeu que tinha acidentalmente vertido iogurte. Não o repreendi, mas, ao sairmos da porta, ele confessa espontaneamente que não tinha sido ele a verter o iogurte, e sim um colega de turma.

Percebi imediatamente que a história ainda estava a começar. Sem tecer grandes comentários deixei-o falar livremente. Durante aproximadamente metade do percurso para a escola ele descreveu-me o mau comportamento do seu colega que gosta de atirar coisas por cima do muro da escola. Foi assim que o iogurte foi parar ao casaco! De defender o colega, ele passou rapidamente a atribuir-lhe todas as culpas.

Subitamente, ele diz: ” Sabes, papá… – um pai sabe sempre que depois destas palavras não vem nada de bom 😉 – o A. ensinou-me a atirar as coisas por cima do muro, por isso eu também atirei. Mas, foi ele que me ensinou!” E, pronto: a confissão final!

Visivelmente frustrado pelo seu mau comportamento e pela tentativa de o encobrir, a confissão abriu caminho ao arrependimento e à resolução de mudar de atitude.

Não consigo expressar como me senti orgulhoso dele. E, como me senti ensinado pelo Senhor. Recordei o texto de 1 João citado acima. E, do Salmo 51, que, por coincidência, foi a base do excelente sermão desta noite na IEAveiro (obrigado, Daniel). Obrigado, Deus. Ajuda-me a aprender esta lição.

Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.
Salmos 51:10

A Justiça de Deus

Fui abordado por um leitor que me colocou uma série de questões que transcrevo aqui:

  1. Se não há salvação a não ser por Cristo, como ficam os milhões de seres humanos que nasceram e viveram antes de Cristo?
  2. Se nada acontece sem a vontade de Deus, porque existem ateus?
  3. Se Deus é a expressão máxima da bondade, porque é que há crianças que já nascem em sofrimento?
  4. Se Deus é justo, porque é que as pessoas já chegam ao mundo em situações desiguais?

justiçaPor serem várias questões que, no fundo, estão relacionadas com o mesmo conceito – a Justiça de Deus, e, na tentativa de dar um esclarecimento  mais completo, decidi responder com uma série de artigos sobre o assunto.

A Justiça de Deus é talvez um dos aspectos do Seu carácter que temos maior dificuldade em compreender. A Bíblia explica-nos porquê:

Os homens maus não entendem o juízo, mas os que buscam ao Senhor entendem tudo.
Provérbios 28:5

Para entender a justiça é preciso temer ao Senhor.

Dividi o assunto em 4 partes para podermos aprofundar melhor o que a Bíblia ensina sobre a Justiça de Deus.

1. Deus é Justo.

A Bíblia constantemente afirma os atributos perfeitos do carácter de Deus. A harmonização desses atributos, sem que um viole ou diminua o outro, é a expressão da Santidade de Deus. Amor. Justiça. Ira. Estes três são porventura os que parecem aos nossos olhos irreconciliáveis. Como pode um Deus de Amor condenar pessoas ao inferno? Se Deus é justo, como permite o sofrimento de pessoas inocentes? (continuar a ler…)

2. A Justiça de Deus em condenar pecadores.

Todos compreendemos e aceitamos que a violação da lei merece punição. Isso é justiça. Injustiça é quando alguém que viola a lei escapa impune. Curiosamente, quando falamos da Justiça de Deus, logo se ergue um coro de vozes a reclamar quando Deus castiga os pecadores. O pecado, a nossa violação da Lei de Deus, merece punição. Isso é Justiça. (continuar a ler…)

3. A Justiça de Deus em salvar pecadores.

E, quando Deus não castiga o pecador, há justiça? Se o pecado merece castigo, como pode Deus perdoar pecados e permanecer Justo? E, se Deus salva uns e outros não, não está a ser imparcial? Como é que o Evangelho é a expressão maior da beleza, perfeição e bondade da Justiça de Deus? (continuar a ler…)

4. Deus e o sofrimento humano.

Se Deus é Justo e Amoroso, por que há tanto sofrimento no mundo? O sofrimento humano, principalmente dos inocentes e indefesos, é a grande pedra de tropeço para muitos não crerem em Deus. Como é que o Deus Justo e Amoroso vê o sofrimento humano?

Durante os próximos dias iremos mergulhar na Palavra de Deus em busca de respostas a estas inquietações. Rogo a Deus para que Ele ilumine os nossos corações com a Sua sabedoria para entendermos o que Ele nos quer ensinar. Rogo para que me faça fiel à Sua Palavra. Assim Deus me ajude.

A fórmula de Deus

“O que é afinal a intimidade com Deus? E, como alcançá-la?”

A resposta a estes interrogações fundamentais é dada pelo próprio Senhor Jesus. Em João 17, Jesus declara que foi enviado pelo Pai para dar vida eterna (vs.2). Há muito a dizer acerca da vida eterna, mas, se quisermos condensar tudo isso num único conceito olhamos para a explicação de Jesus:

“E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3)

Conhecer Deus. Como o único Deus – reconhecendo que só Ele é Deus e fora dele não há outro. Como o verdadeiro Deus – conhecendo quem Ele é de verdade e não como eu gostaria que fosse. Como o exclusivo Deus – sendo O único que reconheço como Senhor sobre a minha vida, fugindo de todas as formas de idolatria. Como o Redentor Deus – reconhecendo que Ele é tanto o querer como o efectuar da minha salvação e que devo tudo a Ele. Esta é a vida eterna. É também, creio, a melhor definição de intimidade com Deus.

INTIMIDADE COM DEUS = CONHECER DEUS

Jesus diz que o conhecimento de Deus é a vida eterna, porque o conhecimento de Deus vai afectar tudo o que somos, influenciando todo o nosso futuro. Vejamos, com alguns exemplos como isso acontece:

  1. Conhecer Deus ensina-te a viver. A Bíblia ensina que a sabedoria que nos conduz à vida excelente nasce do temor do Senhor. (Prov.1:7) Isto é, quando eu temo a Deus, essa reverência, espanto, admiração e senso de humildade diante d’Ele, afectam as minhas decisões, vontade, paixões, inclinações, etc. Tudo na minha vida vai passar a ser vivido como que pelos olhos do Senhor a quem temo. E, de onde vem esse temor? Como posso eu crescer em temor do Senhor? Conhecendo-O. Quanto mais conheço acerca da Sua Santidade, Justiça, Ira, Amor, Misericórdia, Longanimidade mais assombrado ficarei com esse conhecimento. E mais vontade terei de O honrar na minha vida.
    (NOTA: Se pelo contrário esse conhecimento te afasta de Deus mais e mais, é porque ainda não nasceste de novo, e por causa do teu pecado insistes na rebelião contra Deus. Busca arrependimento e crê no Senhor Jesus Cristo para salvação da tua alma!)
  2. Conhecer Deus fortalece a tua fé. O conhecimento de que Jesus fala não é apenas informação, ou intelectual, mas, experiencial. Conheces por experiência. Por obediência. Ao colocares a tua confiança nas promessas e mandamentos de Deus e confirmares a Sua fidelidade à Sua Palavra a tua fé é fortalecida e terás confiança para confiar n’Ele em coisas maiores. (Salmos 34:8)
  3. Conhecer Deus estimula a obediência. Quanto mais conheceres a Deus menos tendência terás a pensar como alguns que diziam: “Não importa se pecamos, porque a Graça de Deus sempre terá perdão para nós!” (Rm.6:1-2) Aqueles que assim pensam não O conhecem. Esquecem-se da Sua santidade que não tolera o pecado. Ignoram que Ele corrige e disciplina aos Seus filhos (Hb.12:6-8). E, tentam ao Senhor que é “um fogo consumidor” (Hb.12:29). Mas, os que O conhecem entregam-se à obediência e na Sua lei (leia-se, vontade) está o prazer das suas almas.
  4. Conhecer Deus antecipa a vivência da glória futura. Em Hebreus lemos que Moisés rejeitou as honras do Egipto porque via O invisível. Lemos também que Ele se dispôs a sofrer com o povo de Deus porque antecipava a glória futura (Hb.11:24-27). Conhecer Deus liberta-te da pressão das circunstâncias pois tens a garantia de que o teu futuro está firme em Cristo, esperança (leia-se, certeza) da Glória! (Col.1:27)

Tendo em vista os tremendos benefícios que o conhecimento de Deus traz à tua vida, a questão impõe-se: Onde adquirir esse conhecimento?

“Porque em tudo fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento.” (1 Coríntios 1:5)

MEDITAÇÃO NA PALAVRA DE DEUS = CONHECIMENTO DE DEUS

Tive particular cuidado em definir a fórmula acima. Nota que não disse que ler a Palavra traz conhecimento. Nem mesmo estudar a Palavra. Mas, meditar nela traz vida. A meditação difere do ler e do estudar na medida em que implica uma análise interior medindo as nossas vidas pela Palavra e uma disposição à obediência. A parábola do semeador que Jesus contou é uma boa ilustração disso mesmo. Diferentes pessoas podem ouvir a mesma palavra e reagir a ela de maneira diferente, com resultados também eles diferentes. Sobre aqueles que buscam, esquadrinham, examinam, e aplicam a Palavra nas suas vidas – estes são os que meditam nela de dia e de noite – Deus tem as seguintes promessas:

  • Serão bem-aventurados. (Sl.1-2)
  • Alcançarão misericórdia e serão renovados na alegria da salvação. (Sl.77)
  • Pela obediência alcançarão prosperidade. (Jos.1:8)
  • Serão aprovados por Deus e pelos homens. (1Tm.4:15)
  • Não serão confundidos. (Sl.119:6)
  • Purificarão as suas vidas. (Sl.119:9-11)
  • Terão prazer em Deus. (Sl 119:103,111)

Muitas outras promessas estão vinculadas à meditação na Palavra de Deus. Encontramos muitas delas no Salmo 119. (Podes se quiseres enumerar algumas delas através da caixa de comentários para, em conjunto, meditarmos sobre elas). Qual tem sido a tua atitude perante a Palavra de Deus? Sabe que não poderás conhecê-Lo à parte da Sua Palavra. Sabe também que apenas ouvir a pregação da Palavra quando vais à Casa de Oração não é suficiente para te manter forte. Não podes ser sempre um menino à espera do leite. (Hb.5:12-13) Avança para coisas maiores. Fortalece-te. Busca a Deus pela Palavra. Aprende a fórmula de Deus:

MEDITAÇÃO NA PALAVRA DE DEUS = CONHECIMENTO DE DEUS = INTIMIDADE COM DEUS

_______________________________________________________

Se precisas de ajuda para orientar a tua meditação na Palavra de Deus podes encontrar algumas orientações aqui.

Para mais sobre a prática da intimidade com Deus, clique aqui.

Câmara lenta

As novas capacidades tecnológicas permitem-nos olhar para o mundo que nos rodeia com outros olhos. As câmaras de gravação de alta velocidade captam movimento que não é visível para ao olho humano. Ao fazer a reprodução a uma velocidade ultra-lenta possibilitam a visualização de trajectórias e dinâmicas de movimento que nunca tínhamos percebido antes. É uma ferramenta eficaz na análise de técnicas desportivas e em estudos da natureza. E, talvez devêssemos aplicá-las à nossa vida – metafóricamente, claro.

Um amigo disse que “não há momentos de loucura“, referindo-se à desculpa habitualmente usada para justificar comportamentos que não conseguimos enquadrar no padrão da normalidade. “Não há momentos de loucura, há vidas de louco – cheias de mentira, hipocrisia, imoralidade – que um dia já não se conseguem manter.”

Fiquei a pensar nisso. Lembrei-me de uma música “Slow fade” dos Casting Crowns, que fala do mesmo assunto:

“As pessoas nunca caem num dia.” (Slow fade, Casting Crowns)

A música fala do longo processo que gera o pecado. O mesmo de que falava o meu amigo. O mesmo de que fala Tiago na sua Carta.

“Cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.” (Tiago 1:14-15)

O olhar luxurioso que se repete. Os passos que se habituam a um caminho. Os pensamentos que guardamos em secreto. As conversas que nos incitam. As palavras que se semeiam. Alimentamos a nossa concupiscência, isto é, o nosso desejo pelo pecado a tal ponto que um dia já não o podemos conter mais.

“A distância da mente para as mãos é mais curta do que tu pensas.” (Slow fade, Casting Crowns)

Ah, se ao menos pudéssemos ver a nossa vida em câmara lenta, como Deus a vê! Aí perceberíamos onde está o nosso desvio da rota e poderíamos corrigir a nossa trajectória antes de acabarmos em ruína! A verdade é que podes:

“Portanto, livrem-se de toda impureza moral e da maldade que prevalece, e aceitem humildemente a palavra implantada em vocês, a qual é poderosa para salvá-los.
Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos.
Aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho
e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência.
Mas o homem que observa atentamente a lei perfeita que traz a liberdade, e persevera na prática dessa lei, não esquecendo o que ouviu mas praticando-o, será feliz naquilo que fizer.”
Tiago 1:21-25

Está nas tuas mãos precaveres-te contra o pecado.

Videoclipe de Casting Crowns – Slow Fade. (C) 2008 Provident Label Group LLC, uma unidade de SONY BMG MUSIC ENTERTAINMENT

10 Passos para uma Vida Feliz

“Bom é que o coração se fortifique com graça.”
Hebreus 13:9

Todos queremos uma vida melhor. Mais feliz. Mais significativa. Queremos um coração cheio. Já todos (ou, quase) entendemos que a vida se faz com algo mais do que dinheiro, coisas, fama ou sucesso. Conhecemos quem tenha tudo isso e não saiba o que é viver. O coração, sede do que somos, das emoções, dos sonhos e das vontades, encontra satisfação em coisas inesperadas, quase sempre simples, sem preço e ao alcance de qualquer um. O que o coração precisa é Graça.

Ao estilo dos best-sellers de auto-ajuda, e inspirado no texto de Hebreus 13, proponho um caminho de 10 passos para uma vida cheia e com sentido.

1. Cultiva a Amizade.

No momento da criação Deus declarou: “Não é bom que o homem esteja só.” (Gn.2:18) Deus criou-te como um ser relacional. Constrói amizades genuínas, duradouras e que te permitam desenvolver todo o teu potencial. (Ec.4:9) Numa era em que acumulamos amizades virtuais o apelo ao amor fraternal é urgente. Põe o amor como a base sólida desses relacionamentos.

2. Mi casa es tu casa.

Faz da tua casa um lar. A família é um pilar fundamental da felicidade. Honra os teus pais. Respeita os teus filhos. Ama os teus irmãos. (Cl.3:17-21) Abre as portas para acolher os que precisam de conforto. Se o teu lar for o ponto central dos teus relacionamentos encontrarás um equilíbrio emocional, social, psicológico que se estenderá aos que te rodeiam.

3. Vive “com+paixão”!

A dor é parte da vida. Todos procuramos fugir do sofrimento, pois ele nos lembra da nossa miséria. Viver “com+paixão” é não olhar para o sofrimento do outro com indiferença. Não permitas que o teu coração se endureça. Alcança o outro no seu sofrimento. (Lc.10:25-37) Vais ver que suavizar as dores alheias é um bálsamo suave para a alma.

4 . Dá-te pelos outros.

Leva a tua compaixão à acção. Sê misericordioso. Chora com os que choram. (Rm.12:15)  Sai da tua zona de conforto e dá o teu tempo, dinheiro, talento e força em favor de quem precisa. O altruísmo é a expressão máxima da abundância de amor do teu coração. E, a matemática do coração é paradoxal – quanto mais repartes, mais tens.

5. Busca a pureza.

A sensualidade é um apelo poderoso ao teu corpo. E, aparentemente, um caminho fácil para o prazer disfarçado de felicidade. Se realmente houvesse nisso felicidade a taxa de divórcios não seria superior à de casamentos, o aborto não seria a solução final, as DST (doenças sexualmente transmissíveis) não destruiriam tantas vidas, os antidepressivos não seriam os medicamentos mais vendidos, o suicídio não seria a resposta para os desgostos amorosos. Aquilo que só dá prazer à carne não pode alimentar o espírito. Guarda o teu corpo. Goza a tua sexualidade dentro do padrão que Deus propõe. (1Ts.4:4)

6. Exercita a frugalidade.

As coisas têm um fascínio poderoso sobre nós. A publicidade cria necessidades artificiais que nos levam a dirigir todo o nosso esforço para TER em vez de SER. Aprende a viver com o que tens. Simplifica as tuas opções. Sê o senhor das tuas coisas, e não o contrário. (1Tm.6:10)

7. Ouve os teus líderes espirituais.

A espiritualidade é parte essencial da vida. És um ser espiritual. A noção de eternidade foi implantada no teu coração pelo próprio Deus. (Ec.3:11) Para que O buscasses. Aprende com os teus líderes espirituais. Ouve os seus conselhos. Obedece a sua orientação. Eles foram levantados por Deus para ser uma benção na tua vida. A sua experiência com Deus deve ser um estímulo ao teu próprio crescimento espiritual.

8. Firma as tuas convicções.

Busca a verdade e ela te libertará. (Jo.8:32) Enquanto andares sempre a mudar de opinião não poderás desenvolver as raízes que potenciarão o teu crescimento. Qualquer brisa te arrancará do lugar. (Cl.2:6-8) Estuda a Palavra de Deus. Firma as tuas convicções. Vive por elas. E, lembra-te: no dia em que puseres em causa uma só coisa daquilo que está escrito, argumentando segundo a tua conveniência, toda a tua fé será irremediavelmente posta em causa.

9. Cresce na Fé.

Desenvolve um relacionamento vivo com Deus. A base desse relacionamento é o sacrifício que Jesus Cristo fez na cruz em teu lugar. Ele pagou o preço do teu pecado. Ele esmagou a Satanás. Ele venceu a morte. (Hb.2:14) Ele ressuscitou para te capacitar a viver uma vida de santidade e de adoração a Deus – propósito para o qual foste criado. (Rm.7:4, 2Cor.5:15) Nunca te esqueças disso. Volta a este fundamento sempre. Para que cresças.

10. Sê generoso.

Deus deu o melhor que tinha por amor de ti. Quando dás o melhor de ti pelos outros revelas o carácter de Deus. Sê generoso. Amplia o teu coração. Olha para o mundo com os olhos de Deus. Deixa que Ele que ensine que melhor coisa é dar do que receber. (At.20:35)