Ai! Que tempo vergonhoso
Quando altivo, resisti
Ao meu Salvador bondoso,
Respondendo desdenhoso:
“Quero o Eu, não quero a Ti!”
.
Mas o Seu amor vencia
Quando sobre a cruz O vi,
E Jesus por mim pedia,
Já meu coração dizia:
“Quero o Eu, e quero a Ti!”
.
Com ternura me amparava;
Graça e força recebi.
Mais e mais eu exultava;
Mais humilde segredava:
“Menos Eu e mais de Ti!”
.
Por Seu grande amor vencido,
Tudo ao meu Senhor cedi.
Ao meu Salvador unido,
Este agora é meu pedido:
“Não mais Eu! Só quero a Ti!”
.
.
Theodore Monod (1836-1921)

Hinos e Cânticos, nº 300